Déficit de junho será o menor desde 1994, diz BC

O diretor de Política Econômica do Banco Central, Ilan Goldfajn, afirmou que o déficit em conta corrente de junho será o menor dos déficits registrados nos meses de junho desde 1994, disse. Ele também antecipou que os investimentos diretos estrangeiros acumulados nos 12 meses continuarão cobrindo, com folga, o déficit das contas externas. Os dados oficiais serão divulgados ainda nesta semana. "Há sempre dúvidas sobre essa questão do financiamento. Nos últimos 12 meses, os investimentos estrangeiros têm financiado 100% do déficit e neste mês vai ser novamente o caso", afirmou ele, em palestra sobre a manutenção da estabilidade, em seminário promovido pelo Ibmec.O diretor do BC fez uma breve exposição sobre a importância da estabilidade e destacou que o País passa, neste momento, por um terceiro grande ajuste, que é o ajuste dos preços administrados. "A relação dos bens controlados com os bens livres era de 1 para 1 e, hoje, essa relação é no mínimo de 1,7", disse ele, destacando que o ajuste traz algum tipo de pressão para inflação, mas não chega a colocar em risco a estabilidade dos preços. Comentando o regime de metas para inflação, que ele acredita ser o de maior capacidade de acomodar choques de oferta, o diretor do BC destacou que a volatilidade da atividade econômica tem influência nas avaliações da autoridade monetária no horizonte do combate à inflação. Ele também defendeu uma política de intervenções mínimas por parte do BC no câmbio, basicamente restritas a momentos em que haja má formação de preços num mercado sem liquidez ou, ainda, num ?ambiente de profecias auto-realizáveis? por parte do mercado. O diretor também admitiu, quando questionado sobre o tema, que a parcela da dívida pública indexada ao câmbio deve ser reduzida, o que só ocorrerá, no entanto, no médio e longo prazo, segundo ele. "A velocidade disso será determinada pelas condições de mercado", afirmou, relacionando nesse sentido a quantidade de dívida rolada e os níveis de preços do câmbio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.