Marcos Corrêa/PR
Marcos Corrêa/PR

Déficit em 2018 deve ser R$ 20 bi menor do que previsão inicial de R$ 159 bi, diz Temer

Presidente da República afirmou que, com resultado, crítica ao teto de gastos se mostraram infundadas

Mariana Haubert, O Estado de S.Paulo

06 Novembro 2018 | 14h32

O presidente Michel Temer afirmou nesta terça-feira, 6, que é provável que o déficit deste ano seja cerca de R$ 20 bilhões menor do que a previsão feita de R$ 159 bilhões. De acordo com ele, o resultado derruba a descrença dos que acharam que o seu governo não daria certo e dos que consideraram a proposta do teto de gastos como a "proposta da morte".

"Sem embargo de termos feito tanto pelo País, é possível que nem se atinja o valor do teto", afirmou Temer em discurso durante a cerimônia de entrega de cerca de 500 veículos para a Rede de Assistência Social do País, realizada no Palácio do Planalto. Questionado sobre o valor exato, Temer afirmou não saber de cabeça, mas garantiu que o déficit não será de R$ 159 bilhões como estava previsto.

Para o presidente, as críticas sobre a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) do teto de gastos se mostraram infundadas porque o governo federal aumentou as verbas para as áreas da saúde e educação.

De acordo com Temer, o resultado ajudará o Orçamento do ano que vem, que será herdado pelo presidente eleito Jair Bolsonaro. Temer também manifestou o desejo de usar, ainda neste ano, parte do recurso que sobrar para investimentos na área social. "Quero ver se faço uma reequação (sic) dos valores que remanesceram", disse.

Ao final do evento, o presidente não quis comentar sobre a conversa que teve com Bolsonaro na manhã desta terça ao encontrá-lo na sessão solene realizada pelo Congresso em comemoração aos 30 anos da promulgação da Constituição Federal.

Os dois terão uma reunião oficial nesta quarta. Questionado sobre se Bolsonaro chegou a comentar sobre a reforma da Previdência com ele, Temer negou. "Não falou comigo sobre isso. Ele tem anunciado que falará sobre isso, mas falaremos amanhã", disse.

Entrega de veículos

O governo federal entregou nesta terça 321 carros e 208 micro-ônibus para a Rede de Proteção Social Básica e Especial do Sistema Único de Assistência Social (Suas). O investimento, de acordo com o governo, é de R$ 72,9 milhões. Os veículos serão distribuídos para 456 municípios em todo o País que atendem 2,9 milhões de famílias pelos serviços da assistência social, o que corresponde a quase 9 milhões de pessoas.

As chaves dos veículos foram entregues simbolicamente por Temer para cinco prefeitos, um de cada região do País. Durante a cerimônia, o ministro do Desenvolvimento Social, Alberto Beltrame, afirmou que os veículos permitirão maior mobilidade para as pessoas que mais precisam dos serviços do Estado. Ele destacou que os carros serão caracterizados, padronizados e oferecerão conforto tanto aos profissionais quanto aos cidadãos.

Para Temer, ações como a entrega dos veículos fortalecem as ações dos Estados e municípios brasileiros. O presidente também ressaltou que, durante o seu governo, o programa Bolsa Família deixou de ser usado eleitoralmente e que os benefícios chegaram a ter aumento acima da inflação.

De acordo com Beltrame, parte dos deputados se comprometeu a destinar emendas de bancadas e individuais, no valor de R$ 75 milhões, para ampliar a frota. "O número de carros será dobrado no próximo ano. Viramos caixeiros no Congresso em busca das emendas", afirmou o ministro.

Mais conteúdo sobre:
orçamento federal [Brasil]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.