Déficit em conta corrente em janeiro soma US$ 3,841 bi

O mês de janeiro terminou com déficit em transações correntes de US$ 3,841 bilhões, segundo dados divulgados hoje pelo Banco Central. Segundo o BC, o déficit do mês passado foi resultante, principalmente, da conta de serviços e rendas, que amargou resultado negativo de US$ 3,952 bilhões. Houve ainda déficit US$ 166 milhões na balança comercial e as transferências unilaterais correntes acumularam ingresso líquido de US$ 278 milhões. Nos doze meses acumulados até janeiro, a conta corrente acumula déficit de US$ 25,412 bilhões, o equivalente a 1,56% do Produto Interno Bruto (PIB).

FERNANDO NAGAKAWA E FABIO GRANER, Agencia Estado

23 de fevereiro de 2010 | 10h53

Já os investimentos estrangeiros diretos (IED) no Brasil somaram US$ 789 milhões em janeiro. No acumulado dos últimos 12 meses até janeiro, o ingresso de investimento produtivo no Brasil soma US$ 24,808 bilhões, o equivalente a 1,52% do PIB. Em igual período até janeiro de 2009, o IED somava US$ 42,162 bilhões, ou 2,64% do PIB. As remessas de lucros e dividendos somaram, em janeiro, US$ 821 milhões. Em janeiro de 2009, as remessa somaram US$ 698 milhões. Já as despesas com juros foram bem maiores em janeiro, somando US$ 1,903 bilhão, ante US$ 1,347 bilhão em janeiro do ano passado.

Investimentos

Os investimentos estrangeiros em ações brasileiras registram em janeiro ingresso líquido de US$ 1,261 bilhão, de acordo com dados do Banco Central. Em janeiro de 2009, ao contrário, a conta havia registrado saída líquida de US$ 542 milhões. As ações negociadas no País tiveram saldo positivo de US$ 1,278 bilhão em janeiro, enquanto as negociadas no exterior tiveram saldo negativo de US$ 17 milhões.

Por sua vez, os investimentos estrangeiros em títulos de renda fixa tiveram saldo positivo em janeiro de US$ 2,428 bilhões, ante saldo negativo de US$ 1,801 bilhão de janeiro de 2009. Os títulos negociados no País tiveram saldo positivo de US$ 1,129 bilhão e os negociados no exterior registraram saldo positivo de US$ 1,299 bilhão.

Taxa de rolagem

A taxa de rolagem dos empréstimos externos de médio e longo prazos ficou em 527% em janeiro, segundo o BC. O resultado é muito superior ao observado em janeiro de 2009, quando 50% das operações foram renovadas. A elevada taxa de rolagem do mês passado foi liderada pelas operações em papéis como os bônus corporativos e commercial papers, cuja taxa de renovação ficou em 594%. Nos empréstimos diretos, a rolagem ficou em 427%.

O Banco Central também informou a estimativa da dívida externa total do Brasil, que ficou em US$ 200,879 bilhões. Em dezembro, o valor estava em US$ 202,329 bilhões. Segundo o BC, as maiores parcelas da dívida do mês passado eram as de vencimento em médio e longo prazos, que somavam US$ 173,109 bilhões. A parcela de curto prazo respondia por US$ 27,770 bilhões.

Tudo o que sabemos sobre:
BC, contas públicas, déficit

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.