Déficit na balança comercial dos EUA bate recorde

O déficit na balança comercial dos Estados Unidos registrou uma inesperada ampliação em maio, atingindo um nível recorde. O Departamento do Comércio informou que o déficit no comércio internacional de bens e serviços subiu para US$ 37,64 bilhões em maio, de um nível revisado de US$ 36,14 bilhões em abril. Os dados preliminares haviam indicado déficit de US$ 35,94 bilhões em abril. Wall Street previa que o déficit se mantivesse estável no mês de maio. Consultas da Dow Jones e CNBC a 22 economistas mostravam que a previsão média era que o déficit recuasse para US$ 35,5 bilhões em maio. As importações feitas pelos norte-americanos cresceram 1,8% em maio, passando de um total revisado de US$ 116,19 bilhões em abril para US$ 118,27 bilhões em maio. Mais comprasO aumento das importações foi liderado pela expansão de US$ 850 milhões nos gastos com compras externas de automóveis e motores, que atingiram o recorde de US$ 17,86 bilhões. As compras desses bens tiveram um ganho semelhante em abril. Os norte-americanos também compraram mais bens de consumo estrangeiros, como televisores, medicamentos, vestuário e utensílios de cozinha, elevando o total gasto com esses itens também para o nível recorde de US$ 25,59 bilhões. As exportações norte-americanas, por sua vez, cresceram 0,7%, para US$ 80,64 bilhões em maio, do nível revisado de US$ 80,05 bilhões em abril. Vendas mais elevadas de alimentos, suprimentos industriais, automóveis e bens de capital compensaram a forte queda das exportações de bens de consumo. O aumento das exportações foi sustentado principalmente pelo crescimento de US$ 149 milhões das vendas de computadores, semicondutores e motores industriais. As exportações de veículos subiram US$ 75 milhões em maio. Em contrapartida, as exportações de bens de consumo diminuíram US$ 229 milhões, para um nível de US$ 6,85 bilhões. O déficit na balança comercial dos Estados Unidos com o Brasil aumentou para US$ 260 milhões em maio, de US$ 140 milhões em abril. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.