carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Definição de cargos na Eletrobrás é adiada de novo

O que se comenta nos bastidores é que está ocorrendo uma queda-de-braço entre o PMDB e a ministra Dilma

LEONARDO GOY, Agencia Estado

20 de fevereiro de 2008 | 13h28

Foi adiada novamente a definição dos nomes dos ocupantes dos principais cargos do Sistema Eletrobrás. O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, disse no início desta tarde, após participar de reunião com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva para tratar do tema, que "o trabalho de tabulação dos nomes não foi concluído".Lobão, que viajará com Lula para a Argentina, disse que a definição dos cargos só deverá ser concluída no início da próxima semana, quando retornar da viagem. "No começo da próxima semana esse trabalho estará concluído", afirmou. Ontem, Lobão havia dito que a escolha dos nomes seria fechada hoje.O que se comenta nos bastidores é que está ocorrendo uma queda-de-braço entre o PMDB e a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, que quer manter sua influência na estatal. A discussão em torno dos nomes já se arrasta há um mês.Lobão, entretanto, nega que haja qualquer tipo de disputa com a ministra Dilma. "Não há nenhum impasse com a ministra. Ela não cria nenhum problema, só ajuda", comentou. Ele disse que vai analisar os nomes e levará ao presidente Lula um quadro mais completo com as sugestões.O principal foco da disputa é a presidência da holding Eletrobrás. O grupo político ligado ao senador José Sarney (PMDB-AP) apóia a indicação do ex-presidente da Eletronorte José Antonio Muniz Lopes. Já Dilma teria preferência pela nomeação de Flávio Decat, ex-presidente da Eletronuclear.Em rápida entrevista à imprensa, Lobão disse que também conversou com Lula e Dilma sobre os atrasos em algumas obras do programa Luz para Todos. Segundo ele, o presidente deverá convidar alguns governadores dos Estados onde o programa está mais atrasado para discutir o andamento das obras.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.