R$ 1,57 bi

E-Investidor: Tesouro Direto atrai mais jovens e bate recorde de captação

Definição sobre FMI desagrada ao Brasil

O Brasil não ficou satisfeito com a posição adotada pelo G-20 sobre a reformulação do Fundo Monetário Internacional (FMI).O comunicado divulgado pelo grupo diz que uma revisão de cotas deve ser feita até janeiro de 2011. Já é um adiantamento em relação ao prazo normalmente estabelecido de cinco anos, já que a última alteração foi feita em 2008. Porém, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, e o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, acreditam que a reformulação precisa ser feita antes disso."Em dois anos, ou a crise já passou ou estaremos todos mortos", disse Mantega, em coletiva conjunta com Meirelles após o final do encontro, realizado nos arredores de Londres. "(O prazo) não é compatível com a velocidade da crise", disse Meirelles. A posição dos Brics (Brasil, Rússia, Índia e China) é de não realizar aportes adicionais de recursos no FMI enquanto os emergentes não ganharem mais voz na instituição. Mantega, porém, não tem dúvidas da necessidade de novos aportes. Para ele, o FMI precisa de US$ 500 bilhões a US$ 1 trilhão - hoje, possui US$ 250 bilhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.