finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Deflação diminui no Japão por alimentos e combustíveis

O núcleo dos preços ao consumidor do Japão teve em janeiro a menor queda em quase três anos, sinal de que a alta das commodities está gradualmente transmitindo-se à economia em geral.

TETSUSHI KAJIMOTO E RIE ISHIGURO, REUTERS

25 de fevereiro de 2011 | 07h22

No entanto, uma medida dos preços que exclui os voláteis preços de alimentos e combustíveis continuou baixa, sugerindo que levará um bom tempo até que a inflação ao consumidor japonês acelere o bastante para fazer o Banco do Japão encerrar a política monetária afrouxada.

O núcleo do índice de preços, que inclui derivados do petróleo mas exclui preços de alimentos frescos, caiu 0,2 por cento em janeiro sobre o ano anterior, diminuindo a margem de declínio pelo quarto mês seguido e marcando a menor queda desde abril de 2009.

A deflação também foi menor que a previsão de 0,3 por cento e o declínio de 0,4 por cento em dezembro.

Mas o índice de preços que exclui alimentos e energia, similar ao núcleo da inflação usado nos Estados Unidos, caiu 0,6 por cento no ano até janeiro.

Tudo o que sabemos sobre:
MACROJAPAODEFLACAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.