Deflação do IPCA-15 enterra aposta de alta da Selic e juros caem

O recuo de 0,05% do IPCA-15 de agosto, abaixo do piso das estimativas dos economistas, foi a pá de cal nas apostas remanescentes de uma derradeira alta na taxa básica de juros, a Selic, no encontro do Comitê de Política Monetária (Copom) no próximo dia 1º. A curva dos contratos de juros futuros terminou a semana precificando quase 100% de possibilidade de manutenção da taxa básica nos atuais 10,75% até o final do ano. Adicionalmente, cresceu a corrente dos que veem espaço para a estabilidade da taxa e até para um processo de flexibilização ao longo de 2011. Dessa maneira, o caminho para os juros futuros não foi outro se não o de queda, novamente, embora alguns dos contratos de longo prazo tenham ensaiado uma correção ao final do dia. A taxa de juro para outubro de 2010 cedeu a 10,66%; para janeiro de 2011 caiu a 10,67%; para janeiro de 2012 recuou para 11,16%; e o contrato para janeiro de 2014 encerrou estável em 11,33%.

Cenário: Denise Abarca, O Estado de S.Paulo

21 de agosto de 2010 | 00h00

A Bovespa fechou em baixa de 0,31%, aos 66.677,16 pontos, influenciada pelas perdas das bolsas em Nova York e das commodities, que pressionaram a Vale e as siderúrgicas. As ações da Petrobrás, apesar da estabilidade do papel PN, depois de perda de 5,37% nas duas sessões anteriores, continuaram afetadas pelas dúvidas sobre o processo de capitalização. Na semana, o Ibovespa apurou ganho de 0,62%; no mês, perde 1,24% e no ano, 2,79%.

No mercado de câmbio, o dólar permaneceu estacionado no piso informal de R$ 1,75 do qual não saiu ao longo da semana, e encerrou em ligeira alta. No acumulado da semana, a moeda norte-americano registrou desvalorização de 0,73%. Mas no mês, apura avanço de 0,23%. Em todo o ano de 2010 tem alta de 0,92%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.