Deflação no IPCA-15 leva mercado a apostar em alta menor do juro hoje

Prévia do índice oficial de inflação cai 0,09% em julho; mercado futuro mostra 70% de chance de uma elevação de 0,50 ponto da Selic

Jacqueline Farid,Ricardo Leopoldo, O Estado de S.Paulo

21 de julho de 2010 | 00h00

Um dia antes de o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) decidir o novo nível da taxa básica de juros (Selic), uma prévia da inflação oficial mudou completamente as expectativas do mercado. O IPCA-15 mostrou deflação de 0,09% em julho. Com isso, a aposta majoritária para a Selic passou de uma alta de 0,75 ponto para 0,50 ponto porcentual. A taxa está em 10,25% ao ano.

A queda do IPCA-15 foi puxada pelos produtos alimentícios, ônibus urbanos e combustíveis. O índice é uma espécie de prévia do IPCA, que serve de referência para a meta de inflação do governo (4,5%, com margem de tolerância de dois pontos para cima ou para baixo). Os dois indicadores são calculados pelo IBGE e diferem-se apenas no período de coleta. Os analistas ouvidos pela Agência Estado estimavam, em média, uma taxa de 0,13%.

No mercado futuro de juros, a probabilidade de elevação de 0,50 ponto da Selic chegou a 70%, ante 30% para 0,75 ponto. Até o meio da semana passada, 100% das apostas eram para 0,75. Entre economistas, porém, a expectativa majoritária ainda é de uma alta de 0,75 ponto.

O economista da consultoria LCA Fabio Romão está nesse grupo. Uma alta menor, segundo ele, só será possível a partir da reunião de setembro do Copom. "O desaquecimento da economia mostra que o nível de atividade entrou em rota mais sustentável de expansão no segundo trimestre, o que não permite altas expressivas dos serviços", disse.

O economista-sênior do BES Investimento, Flávio Serrano, espelha com precisão o cenário de dúvida que tomou conta dos analistas de mercado. "Continuo achando que vem 0,75 ponto, mas, sem dúvida, a probabilidade de alta de 0,50 ponto aumentou", disse. Segundo ele, é certo que a inflação está vindo mais baixa e a atividade mostra desaceleração, depois de um primeiro trimestre muito forte.

Serrano observou, porém, que agosto e setembro devem trazer novo impacto da alta do minério de ferro e a renda continua estimulando o consumo. "O BC precisa de um cenário benigno consolidado", ponderou.

O diretor de gestão da Máxima Asset, César Trotte, mudou de lado. Ele acreditava em alta de 0,75 ponto hoje. Agora, aposta em 0,50 ponto, número que deve repetir-se na reunião de setembro. "Depois disso, dado o calendário político, deve haver uma parada para observação, até que o novo BC, do novo governo, decida o que fazer", observou.

Trotte pondera que a inflação nos níveis atuais não será duradoura: "Ela voltará a subir um pouco, mas dentro do previsto."

Alimentos. A taxa negativa de 0,09% do IPCA-15 foi "fortemente influenciada pelos alimentos", segundo destacaram os técnicos do IBGE. O grupo de Alimentos e Bebidas registrou queda de 0,80% neste mês, ante -0,42% no mês passado.

Entre os alimentos que registraram queda de preços, os destaques foram batata inglesa (16,48%), tomate (14,94%), cebola (13,08%) e cenoura (10,32%). Apesar da queda em vários itens alimentícios, o item "refeição fora de casa" teve alta de 0,95% e deu a maior contribuição (0,04 ponto porcentual) para o IPCA-15.

Os produtos não alimentícios registraram alta de 0,12% no IPCA-15 de julho, ante 0,37% em junho. A desaceleração na taxa, de um mês para o outro, foi influenciada por diversos grupos de produtos, com destaque para transportes (0,36%).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.