Delta ainda deve receber R$ 724 milhões da União, diz ONG

Levantamento é da ONG Contas Abertas e se refere aos restos que o governo tem a pagar por despesas compromissadas em exercícios anteriores

Sílvio Guedes Crespo, do Economia & Negócios,

04 de junho de 2012 | 16h13

A Delta Construções, empresa que é alvo da CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito) que investiga o empresário de jogos Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, ainda deve receber R$ 724 milhões da União, segundo levantamento da ONG Contas Abertas.

A companhia já teve um diretor preso, outro foragido, os dois principais executivos afastados e os sigilos fiscal, bancário e telefônico quebrados pela CPMI. Além disso, pode ser declarada inidônea pela Controladoria-Geral da União (CGU).

Os R$ 724 milhões são a soma dos chamados "restos a pagar", despesas compromissadas e não pagas em exercícios anteriores. A maior parte desse montante (R$ 429 milhões, ou 59%) virá do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte (Dnit).

Veja quanto a Delta tem a receber do governo em grandes obras públicas, na forma de restos a pagar:

Integração do Rio São Francisco com as Bacias dos rios Jaguaribe, Piranhas, Açu e Apodi, na Região Nordeste. Órgão: Ministério da Integração Nacional. Valor: R$ 59,9 milhões;

adequação de trecho rodoviário da BR-110 na divisa entre o Rio Grande do Norte e Paraíba. Órgão: Dnit. Valor: R$ 32,1 milhões;

manutenção de trechos rodoviários no Ceará. Órgão: Dnit. Valor: R$ 21,3 milhões;

manutenção da BR-174 no Amazonas. Órgão: Dnit. Valor: R$ 19,7 milhões;

obras na BR-242 na Bahia. Órgão: Dnit. Valor: R$ 9,8 milhões;

nova sede do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia, no Rio de Janeiro. Órgão: Ministério da Saúde. Valor: R$ 15,4 milhões.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.