Antonio Cruz|Agência Brasil
Antonio Cruz|Agência Brasil

Selic a 2%

Rentabilidade real da poupança entra no negativo. E-Investidor aponta alternativas

DEM deve fechar questão a favor da reforma da Previdência, diz ministro

O chefe da pasta de Educação, Mendonça Filho, afirmou que, dos 30 parlamentares da bancada do partido na Câmara, 25 são favoráveis à mudança nas regras do INSS

Daiene Cardoso e Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

12 de dezembro de 2017 | 12h03

BRASÍLIA - O ministro da Educação, Mendonça Filho (DEM), anunciou na manhã desta terça-feira, 12, que seu partido caminha para o fechamento de questão em favor da Reforma da Previdência. A proposta de obrigar os parlamentares a votar de acordo com a orientação partidária partiu do próprio ministro em reunião com a bancada nesta manhã, no gabinete da presidência da Câmara. A decisão deverá ser tomada na quinta-feira, 14, data da convenção do DEM.

+ PLACAR: Veja a intenção de voto de cada um dos deputados

Dos 30 parlamentares da bancada, hoje o DEM tem pelo menos 25 votos a favor da Proposta de Emenda à Constituição (PEC). Como oito deputados que eram do PSB estão migrando para a legenda, a bancada chegará a 38, ou seja, a reforma tende a ser apoiada por 33 parlamentares do partido. Líderes do DEM deixaram a reunião dizendo que é possível ampliar a margem de votos pró-reforma na bancada.

Mendonça destacou que o clima hoje é favorável à votação da reforma e que a maioria da bancada é a favor do fechamento de questão. "Temos um nível de adesão muito alto por convencimento da necessidade da reforma", afirmou. O ministro acredita que é possível votar o tema ainda este ano, mas ressaltou que não adianta a mobilização da bancada se não tiver a perspectiva dos 308 votos. "Há tempo para votar antes do recesso", previu.

Mendonça, que pode se licenciar do cargo para garantir votos a favor da reforma, destacou que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), está otimista. O sentimento foi compartilhado por outros deputados da bancada. "Acho que até o Rodrigo pode votar", disse Pauderney Avelino (DEM-AM), lembrando que o deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) votou pelo impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff quando presidiu a sessão de abertura do processo de afastamento da petista.

O ministro pediu a mobilização da sociedade pela reforma e disse que independente da liberação de emendas para os parlamentares, o tema é essencial para o País. "O governo deve se mobilizar da melhor maneira possível para convencer os deputados da aprovação da reforma", desconversou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.