Demanda de recursos para investir continua tímida

Entre os primeiros quadrimestres de 2011 e 2012, aumentou em 37% o volume de consultas ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), segundo o boletim de desempenho da instituição, indicando que as empresas voltam a buscar crédito para investir. Mas parece cedo para antever uma forte retomada dos investimentos.

O Estado de S.Paulo

17 de junho de 2012 | 03h06

A taxa de investimento da economia brasileira caiu de 19,5% para 18,7% do Produto Interno Bruto, na comparação entre os primeiros trimestres de 2011 e 2012. A tendência é preocupante, pois, se houver aumento do consumo, faltará capacidade nas indústrias.

Os empréstimos do BNDES são um dos instrumentos-chave para aferir a disposição das empresas de investir, pois se estima que respondam por cerca de 20% a 25% da taxa de investimento.

Para tomar um empréstimo no BNDES, as empresas seguem uma rotina, que começa pelo processo de consulta da operação, seguindo-se o enquadramento, a aprovação e, afinal, se as três etapas anteriores tiverem ocorrido a contento, o desembolso dos recursos.

Nos últimos 12 meses, até abril, comparativamente aos 12 meses anteriores, as taxas foram negativas em todas as quatro etapas, entre 14% e 26%. Não há dúvida de que o aumento das consultas no primeiro quadrimestre é um indicador positivo, como também o dos enquadramentos (+29% em relação a 2011), mas nas aprovações o índice caiu 28% e o desembolso total cresceu apenas 1%.

A indústria (-46%) foi a grande responsável pela queda dos desembolsos, enquanto a infraestrutura liderou as liberações, de R$ 13,4 bilhões, no primeiro quadrimestre, e de R$ 55,8 bilhões, nos últimos 12 meses (+40% em relação aos 12 meses anteriores).

Por parte das empresas, diminuíram os desembolsos para as grandes e aumentaram para as médias, pequenas e microempresas. Dado o peso dessas companhias na geração de emprego, a mudança de política do banco se justifica. A questão é saber se ela poderá ser mantida, na medida do uso do BNDES para conceder empréstimos aos Estados, como se anunciou.

A recuperação da economia brasileira depende do aumento dos investimentos das empresas e da melhora da infraestrutura para permitir a redução dos custos de logística e, portanto, da produção e distribuição. Afinal, o BNDES não pode abdicar da qualidade dos empréstimos para manter sua capacidade de alavancar os investimentos no longo prazo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.