carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Demanda doméstica alimenta crescimento do Brasil, diz 'FT'

Jornal afirma que Brasil está ficando menos dependente de exportações.

Da BBC Brasil, BBC

27 de fevereiro de 2008 | 07h40

"O aumento das reservas e o investimento estrangeiro ajudam a garantir que as exportações não sejam o único motor da economia" do Brasil, diz uma análise publicada nesta quarta-feira pelo jornal britânico Financial Times."O aumento da taxa de crescimento do Brasil nos últimos anos - de uma taxa média de 2,5% nas duas décadas até 2003 para mais de 5% no ano passado - se deu graças às exportações", diz o artigo do 'FT', intitulado "Demanda doméstica alimenta crescimento do Brasil".Mas "o aumento de empregos e salários, crédito barato e taxas de investimento mais altas tornaram a economia doméstica o novo motor de crescimento da economia do Brasil", diz o principal jornal de economia e finanças da Europa."A previsão de queda no superávit da balança comercial de US$ 40 bilhões para cerca de US$ 33 bilhões deveria ser motivo de preocupação", diz o jornal. Mas "a queda do superávit vai ser causada não pela redução das exportações, que continuam a subir, mas pelo aumento ainda mais rápido das importações", um sinal de força da demanda doméstica, o "novo motor do crescimento". O jornal destaca que, apesar do atual déficit em conta corrente, "a conta de capital - que cobre investimentos estrangeiros diretos, portfólio de investimentos e dívidas - está fortemente no azul"."Será que o Brasil pode mudar facilmente da dependência de exportações e um portfólio de investimentos estrangeiros para a dependência da demanda doméstica e investimento estrangeiro direto? A maioria dos economistas não vê por que não."O artigo ainda comenta que a previsão de crescimento do Brasil, de pouco mais de 4,5% neste ano, ainda é muito mais baixa do que a dos outros países do grupo conhecido como BRICsic - Brasil, China, Índia e Rússia -, e que este crescimento poderia ser mais alto se o presidente Luiz Inácio Lula da Silva levasse adiante "as esperadas reformas fiscais"."Mas com o avanço do crescimento nos últimos anos tendo feito de Lula o líder mais popular do Brasil de que se tem lembrança, a maioria dos brasileiros, provavelmente, vai continuar feliz", conclui o FT.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.