Demanda doméstica alimenta crescimento do Brasil, diz 'FT'

Jornal afirma que Brasil está ficando menos dependente de exportações.

Da BBC Brasil, BBC

27 de fevereiro de 2008 | 07h40

"O aumento das reservas e o investimento estrangeiro ajudam a garantir que as exportações não sejam o único motor da economia" do Brasil, diz uma análise publicada nesta quarta-feira pelo jornal britânico Financial Times."O aumento da taxa de crescimento do Brasil nos últimos anos - de uma taxa média de 2,5% nas duas décadas até 2003 para mais de 5% no ano passado - se deu graças às exportações", diz o artigo do 'FT', intitulado "Demanda doméstica alimenta crescimento do Brasil".Mas "o aumento de empregos e salários, crédito barato e taxas de investimento mais altas tornaram a economia doméstica o novo motor de crescimento da economia do Brasil", diz o principal jornal de economia e finanças da Europa."A previsão de queda no superávit da balança comercial de US$ 40 bilhões para cerca de US$ 33 bilhões deveria ser motivo de preocupação", diz o jornal. Mas "a queda do superávit vai ser causada não pela redução das exportações, que continuam a subir, mas pelo aumento ainda mais rápido das importações", um sinal de força da demanda doméstica, o "novo motor do crescimento". O jornal destaca que, apesar do atual déficit em conta corrente, "a conta de capital - que cobre investimentos estrangeiros diretos, portfólio de investimentos e dívidas - está fortemente no azul"."Será que o Brasil pode mudar facilmente da dependência de exportações e um portfólio de investimentos estrangeiros para a dependência da demanda doméstica e investimento estrangeiro direto? A maioria dos economistas não vê por que não."O artigo ainda comenta que a previsão de crescimento do Brasil, de pouco mais de 4,5% neste ano, ainda é muito mais baixa do que a dos outros países do grupo conhecido como BRICsic - Brasil, China, Índia e Rússia -, e que este crescimento poderia ser mais alto se o presidente Luiz Inácio Lula da Silva levasse adiante "as esperadas reformas fiscais"."Mas com o avanço do crescimento nos últimos anos tendo feito de Lula o líder mais popular do Brasil de que se tem lembrança, a maioria dos brasileiros, provavelmente, vai continuar feliz", conclui o FT.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.