Demanda interna fraca puxa exportações japonesas

Com o fraco desempenho do mercado doméstico afetando os lucros, as companhias japonesas, principalmente as do setores siderúrgico e automotivo, estão se tornando cada vez mais dependentes das exportações, divulgou o jornal Nihon Keizai Shimbun em sua edição da manhã deste sábado (horário local).Exportações fortes compensam o declínio da demanda doméstica para os produtores, mas ao mesmo tempo os deixam mais vulneráveis a riscos que podem prejudicar suas operações, como uma valorização repentina do iene e uma desaceleração da economia global.AutomóveisA produção doméstica de automóveis do Japão entre janeiro e julho de 2002 totalizou 5,98 milhões de unidades, das quais 2,66 milhões, ou 44,6% do total, foram exportadas. Este deve ser o nível mais alto numa base de comparação anual em três anos.Ao mesmo tempo, as vendas domésticas caíram 4,1%, contribuindo para o aumento porcentual das exportações no número total da produção. Entre as montadoras, a Toyota Motor Corp. é notadamente dependente das exportações.Seu porcentual de exportação no período de janeiro a julho de 2002 atingiu 51,1%, aumentando a possibilidade de que a empresa vá registrar um crescimento superior a 50% para todo o ano pela primeira vez desde 1986.De forma parecida, a Mazda Motor Corp., que continua sofrendo o declínio nas vendas domésticas, viu o porcentual de suas exportações chegar a 68% no período de janeiro a julho, o nível mais alto desde 1987. A Honda Motor Co. teve um declínio do porcentual de exportação como resultado do aumento da produção fora do país, mas deve ter aumento neste ano também.MáquinasNo setor de máquinas, as exportações responderam por 49,1%, numa base de valor de encomenda no período de janeiro a julho, de acordo com dados da associação que reúne fabricantes do setor. O número é 1,2 ponto maior que o de 2001. O setor de aço viu sua porcentagem de exportações entre janeiro e julho chegar a 36,3%, numa base de volume de produção de aço bruto 4,8 pontos acima do nível de igual período do ano passado.O percentual das exportações da Nippon Steel Corp., numa base de valor referente ao primeiro semestre fiscal, deve verificar um ganho significativo para cerca de 35%. Se a porcentagem ultrapassar os 30% para todo o ano fiscal de 2002, será a primeira vez desde o ano fiscal de 1985. A Kawasaki Steel Corp. deve registrar aumento de suas exportações para 48%, um crescimento de três pontos em relação ao ano fiscal de 2001 e um novo recorde.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.