Demanda interna puxa crescimento do PIB em 2004

A "forte mudança de composição" no crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), com mais peso da demanda interna que do setor externo, foi a mais significativa transformação na economia brasileira diagnostica pelo IBGE na análise dos dados do ano passado. A gerente de contas nacionais trimestrais do instituto, Rebeca Palis, mostrou que, para um crescimento do PIB de 5,2% em 2004 ante 2003, a contribuição da demanda interna foi de 4,1%, enquanto o setor externo contribuiu com 1,1%.A situação foi radicalmente diferente da apresentada em 2003, quando a expansão acumulada de 0,5% no PIB anual respondeu a uma contribuição negativa da demanda interna (-1,1%) e uma participação crucial para o resultado positivo do setor externo (1,6%). A mudança de composição da expansão da economia do País ocorreu por causa dos estímulos do crescimento da massa salarial e do crédito, além de taxas de juros menores do que as registradas no ano anterior.O aumento da demanda interna no ano passado foi motivado pelo crescimento de 4,3% no consumo das famílias. Isso aconteceu devido ao aumento real de 1,5% da massa salarial no ano e um crescimento em termos nominais (segundo dados do Banco Central), de 22,2% no crédito bancário para pessoas físicas.Outro fator de expansão da demanda interna, o aumento da Formação Bruta de Capital Fixo (investimentos, que incluem construção civil e máquinas e equipamentos), de 10,9%, foi atribuído por Rebeca à queda da taxa Selic de uma média de 23,1% em 2003 para 16,3% em 2004 e, ainda, ao aumento do total de operações de crédito do sistema financeiro, de 15,3% em termos nominais segundo o Banco Central.ImpostosOs impostos sobre produtos cresceram 8,5% no PIB em 2004, a maior expansão desde 1995 (10,5%), e contribuíram para o crescimento da economia brasileira. O crescimento ocorreu embalado pelas expansões no ICMS (7,7%), no IPI/ISS (10,3%) e nos impostos de importação (17,6%). O ICMS, sozinho, responde por 75% dos impostos sobre produtos. Rebeca disse que o crescimento dos impostos ocorreu porque os setores que registraram maior crescimento da produção em 2004, como automóveis e máquinas e equipamentos, são aqueles que pagam maior volume de impostos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.