Demanda por ações da BM&F beira os R$ 50 bi

Período para reserva dos papéis na oferta pública inicial acabou ontem; pessoa física pode desistir do negócio até o fim do dia de hoje

Rosangela Dolis, O Estadao de S.Paulo

28 de novembro de 2007 | 00h00

Com a demanda superando em cerca de dez vezes a oferta e chegando perto de R$ 50 bilhões, o período de reserva de ações na oferta pública inicial (IPO, pelas iniciais em inglês) da Bolsa de Mercadorias & Futuros encerrou-se ontem. A procura por investidores foi tão intensa quanto a das ações ofertadas no IPO da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) em outubro, quando também a procura foi dez vez maior do que a oferta. O preço da ação da BM&F será definido hoje. As ações estréiam no pregão da Bovespa na sexta-feira. Entenda a operação da BM&FO valor de referência por ação sugerido no prospecto vai de R$ 18 a R$ 20. Considerando que o preço definido para distribuição das 260.160.736 ações ofertadas seja o máximo, como ocorreu no IPO da Bovespa, a abertura de capital da BM&F vai arrecadar R$ 5,203 bilhões. Além desse volume, pode ser distribuído o lote suplementar de 39.024.120 ações, o que somaria mais R$ 780 milhões, elevando o valor da operação para R$ 5,983 bilhões. Com isso, o valor se aproxima ao obtido pelo IPO da Bovespa, de R$ 6,625 bilhões. No mercado, ontem, a maior parte dos operadores comentava que a ação deve sair pelo preço máximo de R$ 20. Alguns analistas, no entanto, não descartavam a hipótese de o preço fixado para a distribuição ser reajustado e chegar a R$ 21. Nessa hipótese, o valor do negócio poderia ir a R$ 6,282 bilhões. O preço por ação será fixado de acordo com o processo de bookbuilding, ou seja, pela média dos valores apresentados por investidores institucionais em suas propostas. Esse preço é o aplicado a todos os investidores, inclusive pessoas físicas.Com a alta demanda, é possível que, tal como ocorreu no IPO da Bovespa, os investidores não prioritários não recebam ações. Esses investidores são aqueles que participaram dos quatro IPOs considerados nesta operação para a classificação de perfil. São eles: o da própria Bovespa, Amil, Helbor e Laep Investments. Investidores que participaram de dois ou mais desses IPOs e venderam no primeiro pregão mais de 20% dos papéis recebidos foram classificados como não prioritários. Eles só receberão ações depois que os demais investidores, os prioritários, receberem seus pedidos até o limite de R$ 20 mil. Na Bovespa, o número de ações disponíveis não foi suficiente nem mesmo para atender a esse mínimo previsto para os prioritários e houve corte no investimento para R$ 12.098. A expectativa é de que na BM&F a situação se repita, com atendimento dos pedidos de prioritários até o limite máximo de cerca de R$ 10 mil.Investidores pessoas físicas que fizeram reserva até segunda-feira têm prazo até hoje às 18 horas para alterar sua proposta de compra ou desistir da operação. O prazo foi dado porque o preço original da oferta, de R$ 14,50 a R$ 16,50, foi elevado na segunda-feira à noite.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.