Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Thiago Teixeira/Estadão - 25/8/2011
Thiago Teixeira/Estadão - 25/8/2011
Imagem Coluna do Broadcast Agro
Colunista
Coluna do Broadcast Agro
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Demanda por tecnologia digital faz Solinftec avançar

Startup quer aproveitar bom momento da agricultura para acelerar crescimento

Coluna Broadcast Agro, O Estado de S.Paulo

26 de abril de 2021 | 05h00

A brasileira Solinftec, de soluções digitais de monitoramento e automação de lavouras, quer aproveitar o bom momento da agricultura para acelerar seu crescimento.

Líder no mercado de software como serviço para o agronegócio, a startup, presente em 14 países, pretende dobrar o faturamento neste ano e em 2022. Os desempenhos são crescentes desde 2015, conta Guilherme Guiné, diretor de Desenvolvimento de Produtos. Em 2020, os contratos recorrentes, principal fonte de receita da empresa, superaram R$ 100 milhões.

No Brasil, a empresa lidera em cana-de-açúcar, com mais de 6,5 milhões de hectares monitorados e 8 dos 10 maiores produtores do Centro-Sul como clientes. Há ambição de ampliar a presença na cultura no Nordeste, assim como aumentar em 30% a área total coberta até o fim do ano, de 7 milhões para 9 milhões de hectares. Parte do impulso deve vir de culturas nas quais a empresa tem expandido sua atuação, como grãos e fibras no Centro-Oeste.

Potencial. A empresa, com sede em Araçatuba (SP) e outros 5 escritórios no País, pode se tornar este ano o primeiro unicórnio do setor – startups com valor de mercado acima de US$ 1 bilhão –, segundo levantamento da consultoria Distrito. Guiné, contudo, afirma que essa não é uma meta da empresa. “Sabemos dessa grande chance e vemos como uma consequência dos resultados”, aponta. 

Avante. Expandir a internacionalização é outra meta. No início do mês, a Solinftec abriu filial no Canadá e, no 2.º semestre, deve chegar ao México. “Em 2022, iniciaremos testes na Europa, a começar por França e Alemanha, e em 2023 no Leste Europeu, com foco em grãos”, conta Daniel Padrão, diretor de operações para América do Norte. Hoje, monitora 2 milhões de hectares nas Américas do Norte e Latina, e quer chegar em 5 milhões de hectares até o fim do ano.

Mais competitivo. A GranBio, empresa brasileira de biotecnologia industrial, prevê exportar etanol de segunda geração para a Europa a preços até 40% mais vantajosos. A companhia recebeu a certificação internacional Roundtable on Sustainable Biomaterials, que comprova que a pegada de carbono do biocombustível 2G produzido pela empresa é uma das menores do mundo, 91% menor do que a da gasolina. “Com a certificação é possível entrar em programas comerciais que valorizam esse tipo de produto e obter um prêmio”, diz Julio Espírito Santo, gerente de Biotecnologias Industriais da GranBio. 

All in. O executivo diz que, como o biocombustível da atual safra já está inteiramente vendido, a empresa negocia com compradores europeus produção da próxima temporada. A expectativa é destinar parcela expressiva do biocombustível para o continente. “Buscamos tentar vender a um único comprador para tornar a logística de distribuição melhor.”

Médios, por favor. O Citi está apostando fichas no agronegócio para dobrar o volume de negócios no País da área de Commercial Bank, que atende a empresas com faturamento entre R$ 250 milhões e R$ 5 bilhões. André Cury, até o ano passado focado no segmento de companhias que faturam mais de R$ 5 bilhões, como Vale e Petrobrás, foi escolhido para chefiar a área desde janeiro. O executivo estima que o peso do setor na divisão deve sair dos atuais 20% para 25% em três anos.

Pode vir. É pelo Commercial Bank que o Citi quer crescer, explica Cury, pois com as “big” companhias do País o banco já tem boa participação de mercado. Mas entre médias e grandes o Citi atende cerca de mil delas, de um total de 7 mil. Boa parte dos novos negócios virá do agro, diz, e a expectativa é aumentar em 25% a 30% os empréstimos ao setor em 3 anos. “Ninguém traz para dentro de casa negócios que não estão indo bem.”

Aglomera. Ainda há muito espaço para consolidação no mercado de insumos agropecuários, contam Osias Brito e Maurício Nozawa, sócios fundadores da BR Finance, butique de investimentos que presta assessoria financeira a empresas interessadas em atrair investidores. Até o fim do ano, eles esperam concluir ao menos seis transações, envolvendo duas revendas de insumos, duas startups, uma empresa de nutrição animal e outra de fertilizantes especiais e biodefensivos. “Essas empresas serão compradas ou receberão investimentos. Ao menos três transações serão de aquisição por uma multinacional”, dizem os sócios. 

Ouro branco. A Cooperativa Agro Industrial Holambra quer fomentar um polo de produção de algodão de máxima qualidade e produtividade no sudoeste paulista, próximo a Paranapanema, onde tem usinas de beneficiamento. Para a safra 2021/22, que começa a ser plantada no último trimestre, a expectativa é atingir 5,5 mil hectares e, em três anos, chegar a até 20 mil hectares, conta Shandrus Hohne de Carvalho, presidente executivo.

Incentivos. A cooperativa investiu R$ 27,6 milhões na estrutura das usinas e na capacitação de mão de obra para beneficiar a fibra e prevê captar cerca de R$ 80 milhões entre bancos e investidores para financiar a produção. E buscará parceiros em Mato Grosso que possuam colhedoras e caminhões para ajudar na colheita da fibra, já que o sudoeste paulista inicia os trabalhos antes do Centro-Oeste.   

POR ISADORA DUARTE, AUGUSTO DECKER, CLARICE COUTO e LETICIA PAKULSKI

Tudo o que sabemos sobre:
Solinftecstartup

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.