finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Demanda segue firme e crédito atinge 34% do PIB no Brasil

A oferta de crédito no país cresceunovamente em outubro, acompanhando o avanço da demanda interna.Segundo levantamento do Banco Central, as operações de créditooferecidas pelo sistema financeiro somaram 880,8 bilhões dereais, o equivalente a 34 por cento do Produto Interno Bruto(PIB). Em setembro, o volume total do crédito era equivalente a33,3 por cento do PIB. Levando em conta apenas as operações com recursos livres, ovolume em outubro somou 619,4 bilhões de reais, um aumento de2,8 por cento na comparação mensal e de 30,1 por cento frente aigual período do ano passado. "A evolução do crédito, constatada no crescimento tanto dasoperações referenciadas em recursos livres quanto em recursosdirecionados, permanece consistente com o dinamismo da demandainterna", afirmou o BC no relatório divulgado nestaterça-feira. JUROS Ao mesmo tempo em que o volume de crédito aumentou, astaxas de juros praticadas pelos bancos registraram pequenasvariações de setembro para outubro. A taxa média de juros cobrada pelos bancos oscilou para35,4 por cento ao ano, frente a 35,5 por cento em setembro.Trata-se do menor valor da série histórica do BC, iniciada emjunho de 2000. O discreto recuo na taxa média reflete, segundo o BancoCentral, a queda nas taxas cobradas das pessoas físicas. Nestesegmento, a taxa média caiu para 45,8 por cento --menor valorda série iniciada em julho de 1994--, ante 46,3 por cento emsetembro. Para as empresas, o juro médio subiu para 23,4 por cento emoutubro, frente a 23,1 por cento no mês anterior. O spread bancário --diferença entre a taxa de captação dosbancos e a cobrada dos clientes-- recuou de 24,6 pontospercentuais em setembro para 24,4 pontos, também o menor nívelda série iniciada em junho de 2000. (Reportagem de Isabel Versiani; Texto de Renato Andrade;Edição de Daniela Machado)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.