Demissões anunciadas caem pelo 4º mês seguido nos EUA

As principais empresas dos EUA reduziram pelo quarto mês consecutivo o ritmo de demissões anunciadas, colocando o número de cortes de empregos planejados no menor nível desde o início da recessão, em dezembro de 2007, segundo dados da empresa de recolocação Challenger Gray & Christmas. Os empregadores anunciaram 50.349 cortes de vagas em novembro, 9,6% a menos que em outubro e 72% abaixo do nível de novembro de 2008. Os dados não são ajustados sazonalmente.

NATHÁLIA FERREIRA, Agencia Estado

02 de dezembro de 2009 | 13h43

"Não incluindo qualquer choque inesperado na economia, parece que estamos fora de perigo em termos de reduções", disse John Challenger, executivo-chefe da empresa de recolocação. "Infelizmente, a segunda metade da equação do mercado de trabalho - contratação - ainda não mostrou sinais de retomada iminente."

Nos primeiros 11 meses de 2009, as grandes empresas anunciaram 1,24 milhão de demissões, já superando o total de 2008, de 1,22 milhão. A maior parte dos cortes ocorreu no primeiro semestre do ano e em diversos setores mais expostos à recessão. A pesquisa da Challenger inclui apenas uma pequena fração daqueles que perdem o emprego todo mês. Em setembro, por exemplo, 2,1 milhões de trabalhadores foram demitidos ou dispensados, de acordo com dados do governo. Outros 1,9 milhão deixaram o emprego voluntariamente. Naquele mesmo mês, 4 milhões de trabalhadores foram contratados. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
empregodemissõesEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.