Democratas relativizam importância de reforma nos EUA

Senadores democratas disseram que as reformas propostas hoje pela administração Bush para ampliar a supervisão do mercado financeiro não deve preceder medidas de curto prazo para frear a execução de hipotecas. Em geral, líderes democratas disseram que o plano do secretário do Tesouro, Henry Paulson, é a aproximação correta, mas sinalizaram que focarão, no futuro próximo, na solução para a crise das hipotecas."Lembre-se, tudo o que ele está dizendo que fará terá impacto na atividade futura", disse o líder da maioria no Senado, Harry Reid (democrata de Nevada), em entrevista coletiva à imprensa. "Estamos preocupados com o hoje", completou. Reid prometeu "trabalhar com a administração Bush para executar isso", quando falava de reforma regulatória, mas evitou dizer se "isso" será feito neste ano.Na mesma coletiva, o presidente do Comitê Bancário do Senado, Christopher Dodd (democrata de Connecticut) foi mais duro ao comentar o momento de lançamento da proposta. "Eu chamaria isso de arremesso selvagem. Não está nem perto da zona de ataque", declarou Dodd.Já o senador republicano Judd Gregg (New Hampshire) classificou o plano de Paulson como "passo positivo". "Precisamos claramente de uma administração mais centralizada e focada na regulação dessas entidades. Atualmente, há uma mistura de diferentes agências, com jurisdições sobrepostas e regras burocráticas caóticas". As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.