Denúncia contra Coca-Cola acaba em briga e sem conclusão

A audiência pública da Comissão de Fiscalização e Controle da Câmara prevista para esclarecer as denúncias de abuso do poder econômico feitas pela empresa de refrigerantes Dolly contra a Coca-Cola foi marcada por bate-bocas e discussões entre os deputados e não chegou ao fim. Estavam presentes o presidente da Dolly, Laerte Codonho, que faz as acusações, e o presidente da Coca-Cola Brasil, Brian Smith. Mas foi a falta de entendimento sobre a condução da sessão que dominou a cena. A audiência foi encerrada em plena discussão por causa da necessidade de os deputados votarem projetos no plenário.Ao apresentar trechos de um vídeo de uma conversa entre ele e o ex-funcionário da Coca-Cola Eduardo Capistrano que confirmaria as práticas desleais, o presidente da Dolly afirmou que a Coca tomava atitudes para tirar os concorrentes do mercado. Os representantes da Coca-Cola negaram as acusações acusaram a Dolly de sonegação fiscal.O primeiro desentendimento da sessão ocorreu quando Brian Smith se desculpou pelo pouco domínio da língua portuguesa e pediu que o presidente da Associação Brasileira de Fabricantes da Coca-Cola, Ricardo Vontobel, o ajudasse a responder. Vários deputados reclamaram, argumentando que o convocado era Smith e era ele que deveria falar. Outra polêmica foi se o Legislativo tem ou não competência para debater embates entre empresas privadas. A representante da Secretaria de Direito Econômico (SDE), coordenadora-geral Alessandra Viana Reis, informou que está averiguando as denúncias desde o final do ano passado, mas ainda não há conclusão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.