Denúncia contra Schincariol deve ser formalizada em 10 dias

A liberdade dos donos do grupo Schincariol, soltos neste sábado após se encerrar o prazo legal de prisão temporária, pode durar pouco. O procurador do Ministério Público Federal José Maurício Gonçalves informou que dentro de dez dias devem ser formalizadas as denúncias contra os acusados de sonegação fiscal, lavagem de dinheiro e corrupção ativa.Ainda segundo o procurador, o Ministério Público juntou provas suficientes para apresentar a denúncia também por formação de quadrilha, mas ainda não pôde formalizá-las. A ausência destas provas no inquérito permitiu que os acusados fossem liberados na madrugada deste sábado quando expirou o prazo da prisão temporária decretada no último dia 15 e prorrogada por pelo menos mais uma vez."Para mantê-los presos haveria a necessidade de provas e de um pedido de prisão preventiva. Somente com a apresentação das denúncias criminais contra estas pessoas é que haveria elemento para pedir a prisão preventiva", explicou.Ao todo 66 pessoas estavam presas em 12 Estados do Brasil. Em investigações que levaram 2 anos foi constatado que a cervejaria deixou de recolher R$ 1 bilhão à Receita nos últimos cinco anos.O juiz da 1ª Vara de Itaboraí, Vlamir da Costa Magalhães, responsável pela expedição dos mandados de prisão, disse que preferia não comentar a liberação dos acusados. Segundo ele, isso seria uma atribuição da Promotoria."Posso apenas dizer que não houve renovação da prisão temporária, porque isso não seria possível, e não houve apresentação de provas que justificassem o pedido de prisão preventiva."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.