Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Depois da CVM e MPF, agora PF investiga Eike Batista

Primeiro foi a Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Depois o Ministério Público Federal (MPF). Agora, o empresário Eike Batista será investigado também pela Polícia Federal (PF) por suspeita de ter cometido crimes financeiros. No alvo, negociações de ações supostamente irregulares, enquanto o empresário estava à frente da petroleira OGX.

SABRINA VALLE E MARIANA DURÃO, Agencia Estado

18 de abril de 2014 | 15h49

O inquérito foi instaurado na quinta-feira pela Polícia Federal (PF) no Rio de Janeiro, após representação enviada pelo MPF no Rio de Janeiro com pedido para apurar a suposta prática de crimes financeiros cometidos por Eike em 2013. A investigação correrá sob sigilo.

A PF sequer cita o nome do empresário em nota divulgada pela assessoria de imprensa. Disse apenas que vai apurar a prática de crimes por parte do "acionista controlador de uma empresa que atuou na área de petróleo envolvendo negociações de ações, em tese, irregulares, realizadas em 2013."

O pedido à PF foi embasado nas conclusões do relatório de acusação elaborado pela CVM e encaminhado ao MPF no dia 19 de março. Eike já será julgado na esfera administrativa e tem até dia 14 de maio para enviar sua defesa. A área técnica da CVM concluiu no mês passado que Eike deve ser responsabilizado por ter negociado ações com uso de informação privilegiada, por manipulação de preços e por prática não equitativa.

Os dois primeiros são crimes contra o mercado de capitais. Em tese, apesar de não ser prática no Brasil, são crimes que preveem pena de prisão de um até oito anos, além do pagamento de multa de até três vezes o valor da vantagem ilícita obtida. Nunca houve prisão por uso de informação privilegiada no Brasil. A única condenação, em 2011, no caso Sadia, foi revertida em prestação de serviços comunitários e inabilitação de cargo.

Em nota no começo da semana, o grupo EBX afirmou que "em nenhum momento houve má fé ou uso de informação privilegiada pelo controlador da OGX".

Documentos analisados pela área técnica da CVM indicaram que o empresário sabia da inviabilidade econômica de campos de petróleo de Tubarão Tigre, Tubarão Areia e Tubarão Gato, na Bacia de Campos, pelo menos nove meses antes do fato ser comunicado ao mercado, em 1º de julho de 2013.

Regras de mercado determinam que informações relevantes para decisões de compra e venda devem ser feitas de forma a que todos os investidores tenham acesso simultaneamente a elas. Não foi o que ocorreu.

Em 2011, um relatório técnico da área de reservatórios da OGX mostrou que os campos "já sinalizavam volumes e compartimentação muito diferentes da interpretação inicial" divulgada.

Tudo o que sabemos sobre:
PFINVESTIGAEIKE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.