Depois da Espanha, Kirchner quer pagar o Clube de Paris

Depois de assinar o acordo para pagar a dívida de US$ 892 milhões à Espanha, o governo de Néstor Kirchner quer agora regularizar a situação de seu país com o Clube de Paris. Kirchner afirmou em solenidade que seu governo quer ter com o Clube de Paris a mesma atitude negociadora que teve com a Espanha. No entanto, a negociação da dívida de US$ 6,5 bilhões está "apenas no início".Uma nota oficial do Ministério de Economia informa que o acordo para pagar a Espanha foi assinado na quarta-feira por ambos os governos. A reestruturação prevê o pagamento da dívida em um prazo de seis anos, com taxa Libor mais 1,4 pontos porcentuais, o que representa juros de aproximadamente 6,8%. Durante o primeiro ano, a Argentina vai cancelar 10% do capital mais os juros.A dívida foi contraída em 2001, antes da crise de dezembro desse mesmo ano, quando o então chefe de governo espanhol, José María Aznar, enviou o dinheiro para ajudar a formar um colchão de proteção que pudesse evitar o default da Argentina. "A Espanha foi um dos poucos países do mundo, quase o único, que ajudou a Argentina em um dos momentos mais difíceis", disse Kirchner.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.