Depois da Varig, outras empresas estudam reajuste

As companhias aéreas estão partindo para uma nova rodada de aumento de tarifas, em razão do aumento dos preços do querosene de aviação. Ao contrário do que acontece com o preço da gasolina, a Petrobrás vem atualizando o querosene e a nafta petroquímica conforme a cotação do petróleo no mercado internacional. A Varig anunciou hoje seu reajuste(8,29%). TAM e Gol estão avaliando o impacto do aumento.No dia 1º de outubro, o preço do querosene subiu 8,6%. Segundo o Sindicato Nacional de Empresas Aéreas (SNEA), o querosene de aviação já acumula alta de 33,2% até setembro. Levando em conta o reajuste de outubro, o acumulado no ano subiu para 44,7%.A Varig informou que o aumento nos preços das tarifas dos vôos internos refletiu a elevação do preço do combustível da aviação, semana passada. Na ponte aérea Rio-São Paulo a variação de preços foi diferenciada.Durante a tarde de hoje, os executivos da Gol estavam analisando os efeitos do aumento de custo. Na TAM, a informação era semelhante. Segundo a Assessoria de Imprensa da companhia aérea, a TAM estava "avaliando o impacto do aumento do querosene de aviação".ReajustesNa prática, tanto os preços do querosene quanto da nafta são regidos por contratos comerciais entre Petrobrás e os clientes. No caso do querosene, o contrato é com as distribuidoras de combustíveis, que fazem a venda para as empresas aéreas. O combustível de aviação é reajustado a cada 15 dias.No caso da nafta, os contratos são com as centrais petroquímicas, que processam o produto. A nafta tem sido reajustada uma vez por mês. Os preços destes dois produtos acompanham as cotações externas do petróleo, tanto para cima ou quanto para baixo.Um levantamento feito pelo SNEA, mostra que o combustível subiu 882,6% de janeiro de 1999 a setembro deste ano. Segundo o sindicato, o querosone foi o derivado mais que aumentou desde o período. Outros combustíveis tiveram os seguintes aumentos no período, segundo o levantamento do sindicato: GLP (gás de botijão) 437,5%, diesel 366% e gasolina 245%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.