Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Depois de 23 anos com a Alpargatas, Mizuno fecha parceria com a Vulcabrás no Brasil

Companhia gaúcha de calçados anunciou na manhã desta segunda-feira, 21, o acordo de fabricação de produtos com a marca japonesa

Fernando Scheller, O Estado de S.Paulo

21 de setembro de 2020 | 08h43
Atualizado 21 de setembro de 2020 | 09h35

Depois de 23 anos com a Alpargatas, dona da Havaianas, a Mizuno está de parceira nova no Brasil: é a Vulcabrás/Azaleia, que está ampliando sua presença no segmento esportivo. Ao assumir a marca famosa pelos tênis de corrida, o grupo gaúcho reforça seu portfólio na área, que já inclui a Olympikus e a Under Armour. A Mizuno faturou R$ 444 milhões em 2019 no Brasil, segundo nota divulgada pela Vulcabrás nesta segunda-feira, 21.

A Alpargatas afirmou, também em nota, que a venda do negócio foi celebrada por cerca de R$ 200 milhões e que não inclui fábricas (a Vulcabrás passará a produzir a Mizuno em suas próprias unidades). A Alpargatas informou ainda que suas unidades hoje dedicadas à Mizuno serão remodeladas para produzir Havaianas. A Alpargatas era dona de outras marcas esportivas, como Rainha e Topper, mas essas foram repassadas ao grupo do empresário Carlos Wizard Martins.

A mudança vem como uma surpresa para o mercado, uma vez que, em 2014, a Alpargatas havia anunciado a renovação do acordo com a Mizuno por 13 anos, renováveis por outros 13. A parceria entre a companhia brasileira e a japonesa havia começado em 1997 e envolvia o pagamento de royalties. 

"A Vulcabras Azaleia tem como diferenciais a flexibilidade na produção, a rapidez na reposição e a agilidade na distribuição. A rapidez de reposição da nossa empresa faz com que nossos clientes consigam se abastecer de maneira mais segura, sem ter de assumir compromissos com muita antecedência e, dessa maneira, possam planejar seu negócio de forma mais assertiva”, disse Pedro Bartelle, presidente da Vulcabrás/Azaleia, em nota.

O negócio está sujeito a aprovações de órgãos reguladores, entre eles o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.