Depois de críticas a Meirelles, saída de Lessa era previsível

O presidente da Confederação Nacional da Indústria, Armando Monteiro Neto, disse que a saída de Carlos Lessa do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) já era previsível, depois das críticas que fez ao presidente do Banco Central, Henrique Meirelles. Em nota divulgada por sua assessoria, Monteiro Neto afirma que a CNI sempre teve um grande apreço pela diretoria do BNDES e pelo "professor Lessa". "Mas entendo que não é possível existir, no âmbito da própria equipe do Governo, discussões sobre os rumos da política econômica. Isso não é adequado", ressaltou Monteiro Neto. A nota acrescenta que a CNI quer que o banco cumpra o papel de ser um instrumento fundamental para a política de desenvolvimento e para a política industrial do País e que o BNDES possa, no cumprimento de sua missão, "apresentar um padrão de desempenho operacional cada vez mais Eficiente".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.