Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Depois de dar calote, Equador quer criar fundo da América do Sul

Fundo seria composto por reservas internacionais dos países da região, incluindo o Brasil

Denise Chrispim Marin e Tânia Monteiro, enviadas especiais, Costa do Sauípe, O Estadao de S.Paulo

17 de dezembro de 2008 | 00h00

Omitindo o calote de US$ 61 milhões na dívida externa de seu país, além do questionamento de um passivo de US$ 243 milhões com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o presidente do Equador, Rafael Correa, propôs ontem a criação de um fundo da América do Sul, composto pelas reservas internacionais dos países da região - no caso do Brasil, uma parcela ou o total dos US$ 207 bilhões acumulados pelo País. Na visão do economista Correa, doutor pela Universidade de Illinois, esse fundo seria um porto seguro para os países da região que atravessassem uma crise de balanço de pagamento, e para os que buscassem recursos para seus investimentos.Correa fez um pronunciamento ontem na 36ª Reunião de Cúpula do Mercosul lamentando que o Banco do Sul, proposto pelo governo venezuelano, não esteja em funcionamento neste momento de crise econômica mundial e defendeu outra nova idéia - a adoção de uma mecanismo de comércio em moedas locais entre os países sul-americanos. Ao expor essa proposta, o equatoriano não teve o cuidado de citar o modelo de operação no intercâmbio entre Brasil e Argentina, em vigor desde setembro.Correa falou abertamente na reunião do Mercosul, comandada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Mas não conseguiu suavizar o clima pesado entre Brasil e Equador, provocado por sucessivas agressões de Quito a Brasília nos últimos meses. Em especial, pela expulsão da Odebrecht e de Furnas do país e a decisão de submeter a uma arbitragem internacional seu passivo com o BNDES, relacionado ao financiamento da construção da hidrelétrica de San Francisco. A essas razões, soma-se a ameaça de inadimplência com o Convênio de Crédito Recíproco (CCR), o mecanismo por meio do qual são feitos os pagamentos das transações comerciais entre países latino-americanos. Se essa nova ameaça se concretizar, serão afetadas as relações comerciais entre 12 países da região.Pouco antes do início da reunião, na manhã de ontem, um assessor de Correa aproximou-se de Lula e disparou: "Presidente, devolva-nos nosso embaixador". O equatoriano referia-se à atitude do governo Lula de chamar o embaixador do Brasil em Quito, Antonino Porto e Santos, de volta a Brasília - a resposta diplomática do Brasil ao anúncio público de Correa de que submeteria a dívida com o BNDES à arbitragem da Comissão de Comércio Internacional, de Paris. Diante do apelo, Lula fechou a cara e não respondeu. Hoje, deverá encontrar-se reservadamente com Correa, a pedido do equatoriano.VULNERÁVEISNo encontro semestral do Mercosul, Correa teceu um argumento coerente com o de Lula, ao reforçar que os países da região estão vulneráveis a uma crise da qual não são os responsáveis e ao afirmar que a integração continental deve traduzir-se "em fatos concretos". Mas trouxe à mesa de negociações propostas já pinceladas anteriormente, que, neste momento, tendem a ser abortadas pelas próprias decisões do governo Correa na área econômica.Fontes do governo brasileiro asseguram que a criação do Banco do Sul deverá sucumbir se o Equador, efetivamente, não pagar as parcelas de sua dívida com o BNDES. A próxima, de US$ 29 milhões, vencerá em 29 de dezembro e, dez dias depois, será compensada pelo CCR. Se não for paga, o Equador não estará inadimplente apenas com o Brasil, mas com todos os países que partilham o CCR.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.