Gil Leonardi/Imprensa MG - 18/8/2017
Gil Leonardi/Imprensa MG - 18/8/2017

Depois de leilão, Cemig terá de investir em distribuição

A empresa perde de uma vez 36% de sua potência instalada com a venda das quatro usinas e sai do ranking das dez maiores gestoras do País

Anne Warth, O Estado de S.Paulo

28 Setembro 2017 | 05h00

BRASÍLIA - A perda das usinas de Jaguara, São Simão, Miranda e Volta Grande terá grande impacto sobre o parque gerador da Cemig. Foi uma perda de 3 mil megawatts de potência instalada de uma só vez, ou 36% do total. Com a licitação e o programa de venda de ativos da companhia, a Cemig será uma empresa menor e deve focar sua atuação na distribuição, área em que as margens de lucro são menores.

De imediato, a empresa, sai do ranking das dez maiores geradoras do País, da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Até então, era a sétima colocada no mercado, porém, ficar sem as hidrelétricas será melhor para a empresa. As ações preferenciais caíram 1,61% ontem, menos que na segunda (-4,84%) e na terça (-2,31%), dias em que a empresa trabalhou para ficar com as usinas.

++Governo arrecada R$ 12,130 bilhões com leilão das usinas da Cemig

Para comprar as usinas no leilão, a empresa teria que se endividar ainda mais, e a alavancagem da companhia (relação entre endividamento e geração de caixa) já está muito acima dos padrões, em 4,98 vezes no fim de 2016. A capitalização de até R$ 1 bilhão, por fim, servirá para reduzir suas dívidas.

Diferentemente da geração, que opera com preços livres, a distribuição trabalha com tarifas reguladas pela Aneel. A empresa terá de cortar custos e ser mais eficiente do que foi no passado. Principal acionista da companhia, o Estado de Minas terá que se acostumar a dividendos menores que os distribuídos nos últimos anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.