Marcello Casal Jr/Agência Brasil - 15/5/2020
Marcello Casal Jr/Agência Brasil - 15/5/2020

coluna

Fernanda Camargo: O insustentável custo de investir desconhecendo fatores ambientais

Depois de queda no PIB, Guedes pede trégua durante a crise, senão o 'barco naufraga'

Recuo de 1,5% na atividade econômica de janeiro a março reflete apenas os primeiros impactos da pandemia do novo coronavírus

Anne Warth e Wagner Gomes, O Estado de S.Paulo

29 de maio de 2020 | 12h50

BRASÍLIA e SÃO PAULO - O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que "depende de nós mesmos" determinar como será a reação da economia no pós-pandemia. Ele fez a declaração pouco depois de o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgar que o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro caiu 1,5% no 1º trimestre, na comparação com os três últimos meses de 2019.

Se referindo aos recentes conflitos do presidente Jair Bolsonaro com outros poderes, como o Judiciário, o ministro apontou que disputas são "naturais", mas defendeu trégua neste momento de crise, senão "o barco naufraga."

"É natural que nessa ansiedade, cada um ao seu estilo, um pise no pé do outro. E quem foi pisado vai empurrar de volta. Agora, acabou. Um deu o empurrão, tomou o empurrão de volta. Todo mundo remando para chegar na margem. Quando chegar na margem, começa a briga de novo. Pode brigar à vontade na margem. Se brigar a bordo do barco, o barco naufraga”, disse durante um seminário virtual.

Segundo Guedes, é "cretino atacar o governo do seu próprio País em vez de ajudar num momento como esse". Ele admitiu que existem erros, mas que o governo espera a ajuda de todos. "Ninguém quer apoio a erros. Erramos, nos critique, mas nos ajudem."

Ele apontou que há três opções para o pós-pandemia: a chamada retomada em forma de "V", que seria a mais rápida; a retomada em forma de "U", um pouco mais lenta; ou então a economia pode se comportar como na forma da letra "L" que, segundo o ministro, significa "cair e virar depressão.

“Só depende de nós. Só depende de nós. Pela terceira vez, só depende de nós", disse o ministro nesta sexta-feira, 29. "Prefiro ainda trabalhar com o 'V', pode ser um 'V' meio torto, caiu rápido e vai subir um pouco mais devagar, mas ainda é um 'V'.”

O resultado reflete apenas os primeiros impactos da pandemia do novo coronavírus e coloca o País à beira de uma nova recessão, uma vez que a expectativa é de um tombo ainda maior no segundo trimestre. “Precisamos de cooperação, colaboração, compreensão, solidariedade", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.