Depois de seis dias em queda, dólar fecha em alta de 0,94%

Depois de seis quedas consecutivas, o dólar fechou em alta nesta sexta-feira, de 0,94%, cotado a R$ 2,1500 na ponta de venda das operações. Durante o dia, a moeda norte-americana oscilou entre a máxima de R$ 2,1600 e a mínima de R$ 2,1220. Na primeira semana de abril, o dólar acumula queda de 0,69%. O foco do mercado financeiro no Brasil ficou hoje no cenário externo. Os indicadores de emprego divulgados nesta sexta-feira nos EUA deixaram os investidores mais pessimistas em relação aos rumos dos juros norte-americanos. A taxa de desemprego norte-americana atingiu o patamar mais baixo em quatro anos, graças à criação de 211 mil postos de trabalho. O número de empregos gerados é ainda maior que os 190 mil previstos pelos analistas. O forte impulso na geração de novos postos de trabalho sugere um possível aumento nas pressões inflacionárias, o que deve deixar o banco central norte-americano (Fed) mais conservador. Isso significa que os juros nos Estados Unidos podem continuar subindo. Antecipando esta perspectiva, as taxas negociadas nos papéis da dívida dos Estados Unidos já subiram hoje. A taxa do papel de 30 anos superou os 5%. Refletindo a elevação dos juros, as bolsas norte-americanas operam em queda hoje. Isso porque o investimento em ações perde atratividade quando os juros sobem. Os investidores começam a sair das Bolsas e migram para o mercado de juros, o que provoca a queda das ações. Este comportamento repete-se nas bolsas do mundo todo, inclusive no Brasil. Às 16h21, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera em baixa de 1,18%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.