Depois de três dias em alta, dólar cai e fecha a R$ 1,6850

A moeda norte-americana operou em alta durante toda a manhã e caiu depois de declarações de Mantega

Da Redação,

11 de março de 2008 | 16h55

As especulações sobre um pacote cambial para conter a desvalorização do dólar e a confirmação do ministro da Fazenda, Guido Mantega, sobre possíveis medidas neste sentido mexeram com o mercado cambial. A moeda norte-americana operou em alta durante toda a manhã e início da tarde, após as declarações de Mantega, a tendência foi de queda. No final do dia, o dólar foi cotado a R$ 1,6850, em queda de 1,23%.   Veja também: BCs atuam para ajudar mercado de créditoInflação da China excede previsões e sobe a 8,7% em fevereiro Petróleo bate novo recorde e chega a US$ 109 em Nova YorkAnimadas após anúncio de BCs, bolsas européias fecham em altaGoverno pode anunciar pacote cambial nesta quartaAnalista não acredita que medidas reduzirão queda do dólarESPECIAL: Preço do petróleo em altaO sobe e desce do dólar Entenda a crise nos Estados Unidos   Veja os efeitos da desvalorização do dólar  Mantega não confirmou o pacote cambial, mas disse que o governo estuda acabar com a cobertura cambial (exigência de que as receitas com exportação sejam internalizadas no País. Hoje, o governo permite que apenas 30% dos recursos sejam mantidos no exterior). Essa medida reduziria a entrada de dólares no País e diminuiria a pressão de queda sobre a moeda norte-americana. Sobre o fim da isenção de imposto aos estrangeiros que aplicam em títulos, o ministro disse que "até agora, são apenas especulações. Quando houver novidades, eu informarei a vocês". Esta medida também teria por objetivo reduzir a entrada de dólares no País. Apesar de não ter sido confirmada por Mantega, esta medida poderá entrar no pacote cambial, pois o governo já estaria estudando uma forma de compensar esta arrecadação. Segundo informou ao jornalista Ricardo Leopoldo uma fonte que participou, na última quinta-feira, de uma reunião fechada com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o governo poderia adotar um Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) para compensar em parte o fim da isenção do IR para estrangeiros. No exterior, os mercados comemoram a ação coordenada dos bancos centrais dos EUA, União Européia, Inglaterra, Canadá e Suíça para prover recursos ao sistema financeiro. Em Nova York, o Dow Jones - índice que mede o desempenho das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - opera em alta de 3,55% às 17h07. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) está no patamar máximo do dia e dispara 3,83%.

Tudo o que sabemos sobre:
Mercado financeiroCrise nos EUADólar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.