carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Depois do sofrimento, o alívio

Luciano de Paula Nogueira, 35 anos, foi um dos demitidos da Embraer. Por três meses, sua vida tranquila, cheia de planos, tornou-se o pior dos mundos. Casado, pai de um filho, Nogueira conta que foi difícil administrar a nova rotina. "Isso gerou um transtorno psicológico, piorou meu problema de coluna e me deixou péssimo, inseguro. Engordei oito quilos durante essa terrível experiência. Foi brutal, doloroso", relata. Em maio, o metalúrgico, assim como ocorreu com um grupo de trabalhadores da Embraer, foi reintegrado porque tinha uma lesão na coluna causada por esforço repetitivo e, pela lei, não poderia ser demitido. Se por um lado o empregado da fábrica de aviões está aliviado com a volta ao trabalho, agora tem de se preocupar em pagar parte do dinheiro que recebeu ao ser desligado da função. Para isso, precisou emprestar R$ 4 mil na cooperativa de funcionários. "Ainda não me refiz, mas graças a Deus voltei ao trabalho", vibra.

, O Estadao de S.Paulo

29 de agosto de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.