Marcos Santos/USP Imagens
Marcos Santos/USP Imagens

Depósitos na poupança batem recorde em 2020 e superam saques em R$ 166 bilhões

Resultado é o maior valor líquido registrado na série histórica do Banco Central, iniciada em 1995

Fabrício de Castro, O Estado de S.Paulo

07 de janeiro de 2021 | 15h33

BRASÍLIA - Em um ano marcado pela cautela das famílias quanto ao futuro, os depósitos de brasileiros na caderneta de poupança superaram os saques em R$ 166,3 bilhões em 2020. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira, 7, pelo Banco Central (BC). Esse é o maior valor líquido já registrado na série histórica do BC, iniciada em 1995. 

O resultado foi fruto de aportes de R$ 3,132 trilhões na poupança no ano passado, menos saques de R$ 2,965 trilhões. Como a rentabilidade da caderneta somou R$ 23,853 bilhões no período, os brasileiros encerraram 2020 com volume total de R$ 1,036 trilhão na poupança.

Essa procura maior pela caderneta está diretamente ligada aos efeitos da pandemia do novo coronavírus sobre a economia. Preocupadas com a renda futura e com medo do desemprego, muitas famílias reduziram gastos e passaram a aplicar recursos na poupança, o que elevou o saldo. Esse movimento foi o que o próprio BC chamou de “poupança precaucional”

Além disso, durante a crise, o governo lançou uma série de programas voltados para a manutenção da renda de famílias e empresas - entre eles, o auxílio emergencial de R$ 600 para a população mais carente. Nos últimos meses do ano, o benefício passou para R$ 300. Parte dos beneficiários manteve recursos na poupança.

Um terceiro fator para a alta dos depósitos na poupança em 2020 está ligado à rentabilidade. Com a Selic, a taxa básica de juros, em 2% ao ano - menor nível da história - surgiu durante a pandemia um movimento de saída de recursos dos fundos de renda fixa. Alguns analistas identificaram a poupança como novo destino de parte do dinheiro, em um movimento que também foi citado pelo BC. 

O resultado foi que, após registrar saques líquidos em janeiro e março, a poupança recebeu depósitos líquidos de março a dezembro do ano passado. Somente em dezembro, os aportes líquidos na caderneta somaram R$ 20,6 bilhões. A cifra foi gerada por depósitos de R$ 339,897 bilhões e saques de R$ 319,295 bilhões.

Com o fim de boa parte dos programas emergenciais em dezembro, incluindo o auxílio emergencial, esse deixará de ser um fator para a captação maior da poupança neste início de 2021.

Além disso, existe a expectativa de que o BC, na esteira da aceleração da inflação, eleve a Selic em algum momento do ano - o que, em tese, permitiria que alguns fundos de renda fixa voltassem a ser um pouco mais atrativos.

A poupança, por sua vez, é remunerada atualmente pela taxa referencial (TR), que está em zero, mais 70% da Selic. Com isso, a remuneração da poupança é de 1,4% ao ano. O porcentual não cobre necessariamente a inflação.  

Essa regra de remuneração da poupança vale sempre que a Selic estiver abaixo dos 8,50% ao ano. Quando estiver acima disso, a poupança é atualizada pela TR mais uma taxa fixa de 0,5% ao mês (6,17% ao ano).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.