Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Deputada é encurralada em manifestação no Rio

Grupo de manifestantes cercou a parlamentar Cidinha Campos, do PDT, enquanto ela almoçava

Roberta Pennafort, Vinícius Neder, O Estado de S.Paulo

29 Novembro 2016 | 21h47

RIO - Em novo protesto contra o pacote de austeridade anunciado pelo governo fluminense no início do mês, cujas medidas tramitam na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), um grupo de manifestantes encurralou a deputada estadual Cidinha Campos (PDT) enquanto ela almoçava.

Mesmo em meio às manifestações, a Alerj manteve o cronograma de tramitação – as votações deverão começar no dia 6. Nesta terça-feira, parlamentares vetaram a extinção do Aluguel Social, uma das propostas do pacote de ajuste fiscal do governo fluminense.

No protesto, houve confrontos entre manifestantes e policiais do Batalhão de Choque da Polícia Militar, que usaram bombas de efeito moral e gás. A deputada Cidinha foi vítima de um grupo alertado por manifestantes que estavam no alto do carro de som do protesto – foi falado aos microfones que Cidinha estaria “bebendo champanhe” num bistrô ao lado da Alerj.

O grupo, exaltado e usando apitos e buzinas, entrou no estabelecimento, cercou sua mesa e a xingou de “ladra”. Outro grupo ficou do lado de fora e colocou uma caçamba de lixo para bloquear a sua saída. “Joga ela (sic) no lixo!”, gritavam.

Cidinha foi cobrada por ter visitado o ex-governador Sergio Cabral (PMDB) na cadeia na semana passada – ele está preso em Bangu 8 há 12 dias, na Operação Calicute, um desdobramento da Lava Jato. A deputada teve de ser escoltada por seguranças. 

Já dentro da Alerj, bebendo um copo d’água para se acalmar, Cidinha disse a jornalistas que os manifestantes eram militantes do PSOL, partido que faz oposição ao governo e ao pacote. “Eu nunca votei contra servidor, mas a cambada do PSOL foi me cercar dentro de um restaurante. Por quê? E quanto a visitar o Cabral, ninguém vai me impedir de visitar um amigo que estiver na pior”, disse. 

Cidinha interpelou o deputado Marcelo Freixo (PSOL), que, mais tarde, disse que não era possível tachar os manifestantes de militantes do PSOL. “Se fossem, ia divergir completamente. Sou contra a violência”, afirmou Freixo.

Passada a confusão, os deputados da Alerj derrubaram a extinção do Aluguel Social, programa que paga aluguel temporariamente para famílias que perderam a moradia. Ele seria encerrado em junho de 2017, economizando R$ 74,1 milhões ao ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.