Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

coluna

Carolina Bartunek no E-Investidor: 5 tendências prejudiciais para quem investe em ações

Deputado diz que governo é 'vitorioso' só de ter encaminhado a reforma da Previdência

Para vice-líder do governo na Câmara, Beto Mansur (PRB-SP), governo não sairá derrotado caso leve a reforma da Previdência a voto e perca em plenário

Idiana Tomazelli, O Estado de S.Paulo

30 de janeiro de 2018 | 21h18

BRASÍLIA - O governo não sairá derrotado caso leve a reforma da Previdência a voto e perca em plenário, defendeu nesta terça-feira, 30, o vice-líder do governo na Câmara, Beto Mansur (PRB-SP). 

+ Maia reúne lideranças políticas nesta terça em busca de votos pela Previdência

Segundo ele, o governo já é "vitorioso" por ter encaminhado a proposta, agora a tarefa cabe ao Congresso. "Está na hora de chamar à responsabilidade os nossos colegas parlamentares", disse, após reunião com lideranças na residência oficial do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

+ Presidente do Senado vai tratar Previdência como prioridade, diz Marun

O governo já tentou no ano passado jogar a responsabilidade pela reforma da Previdência para o Congresso Nacional, o que inclusive gerou atritos na articulação política.

+ Presença de Temer não muda audiência de Silvio Santos, Ratinho e Amaury Jr.

Mansur ainda deixou a porta aberta para possíveis mudanças no texto da reforma em plenário. Segundo o vice-líder, a proposta que será lida dia 6 no plenário será a emenda aglutinativa do relator, deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), mantendo os pilares que são a fixação de idades mínimas e o combate a privilégios. 

"Não mexemos nada com relação a servidores públicos. Mensagem é que governo quer acabar com privilégios", disse. Mas a decisão final caberá ao plenário, reconheceu.

"É claro que governo está aberto ao diálogo. Quem vai decidir sobre emenda aglutinativa no plenário são os parlamentares", disse.

Os parlamentares seguem pressionando para flexibilizar a regra que pretende exigir as idades mínimas finais, de 62 anos para mulheres e 65 anos para homens, para que servidores tenham direito a aposentadoria com o último salário da carreira e reajustes iguais aos dos servidores ativos. 

Esses postos são considerados "privilégios" pelo governo, mas o deputado Rogerio Rosso (PSD-DF) está negociando uma alternativa, como mostrou o Estadão/Broadcast.

Mansur disse ainda que pesquisas têm mostrado redução de resistências à reforma entre a população. Ele defendeu também que o governo precisa continuar dando esclarecimentos sobre as regras para reverter votos indecisos. 

O vice-líder disse que é preciso levar a proposta a voto porque há outras pautas a serem endereçadas pelo Congresso neste ano, como reforma tributária e projetos relativos à segurança pública.  

Tudo o que sabemos sobre:
reforma previdenciáriaBeto Mansur

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.