Deputado réu no mensalão será relator de MP 443, diz Chinaglia

Medida que autoriza Caixa e BB a estatizarem instituições financeiras será votada na próxima quarta-feira

Denise Madueño, de O Estado de S. Paulo,

31 de outubro de 2008 | 13h44

O deputado João Paulo Cunha (PT-SP) será o relator da Medida Provisória 443, que permite ao Banco do Brasil e à Caixa Econômica Federal constituírem subsidiárias e a adquirirem participação em instituições financeiras sediadas no Brasil. A designação foi feita nesta sexta-feira, 31, pelo presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP).  Veja também:De olho nos sintomas da crise econômica Veja os reflexos da crise financeira em todo o mundoLições de 29Veja o que muda com a Medida Provisória 443Veja as semelhanças entre a MP 443 e o pacote britânico Como o mundo reage à crise  Entenda a disparada do dólar e seus efeitosEspecialistas dão dicas de como agir no meio da crise Dicionário da crise   João Paulo, ex-presidente da Câmara no período de 2003/05, foi acusado de suposto envolvimento no escândalo do mensalão (esquema que envolvia o pagamento de propinas a deputados em troca de apoio a projetos do governo). No julgamento, o deputado foi absolvido pelo plenário da Câmara. A MP 443 está em tramitação na comissão mista do Congresso e chega à Câmara do dia 5 de novembro, próxima quarta-feira, quando poderá entrar na pauta de votações. O prazo de emendas à esta MP terminou na terça-feira. Foram apresentadas 111 emendas propondo alterações ao texto original do governo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.