Foto: Beto Barata/PR
Foto: Beto Barata/PR

Deputados da base rebatem oposição e defendem intervenção no Rio

Para MDB, PSDB, DEM e PPS, é 'irresponsável' afirmar que decreto de Temer visa desviar atenção sobre derrota da reforma da Previdência

Isadora Peron e Daiene Cardoso, O Estado de S.Paulo

16 Fevereiro 2018 | 16h06

BRASÍLIA - A base do governo na Câmara defendeu o decreto de intervenção no Rio assinado pelo presidente Michel Temer nesta sexta-feira, 16. Deputados rebateram a oposição, que tem afirmado que a medida foi uma manobra para desviar a atenção da derrota da reforma da Previdência. A votação estava prevista para a próxima semana.

+ + Governo federal decreta intervenção na Segurança Pública do Rio

Para o vice-líder do governo, deputado Darcício Perondi (MDB-RS), esse discurso faz parte de uma "esquerda desesperada" que não quer admitir a gravidade do problema da segurança pública no Rio. Ele também reforçou a declaração de Temer, de que o decreto pode ser suspenso para que a votação ocorra quando a base tiver o número de votos necessários.

+ Governo federal fará intervenção na segurança do Rio

O líder do PSDB na Câmara, deputado Nilson Leitão (PSDB-MT), também afirmou que o governo não seria capaz de "tamanha irresponsabilidade", isto é, editar o decreto apenas para tirar o foco da reforma. "Esse decreto traz muitas consequências, seria mais fácil simplesmente dizer que não há voto suficiente para a Previdência."

+ Suspensão da Previdência por intervenção no Rio não afeta o mercado

No entendimento do deputado Rodrigo Garcia (DEM-SP), líder dos Democratas, no entanto, a assinatura do decreto vai adiar a votação sobre as mudanças nas regras previdenciárias. Ao contrário do que afirmou Temer, ele disse entender que essa pauta só poderá ser retomada após a intervenção terminar - em dezembro.

O novo líder do PPS na Casa, Alex Manente (PPS-SP), defendeu a medida. Segundo ele, o Rio chegou a uma situação tão delicada que não havia outra saída. "O decreto é uma medida amarga, mas a intervenção foi algo imprescindível diante do quadro observado nos últimos meses."

O decreto que autoriza a intervenção no Rio foi assinado nesta sexta-feira, 16, e determina que o Exército assuma a segurança pública do Estado, com responsabilidade sobre as polícias, bombeiros e a área de inteligência, inclusive com poder de prisão de seus membros. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.