Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Deputados europeus pedem suspensão de negociação com Mercosul

34 deputados de diferentes nacionalidades pediram que Bruxelas interrompa diálogo com Mercosul por negociar com um governo brasileiro que 'carece de legitimidade'

Jamil Chade, O Estado de S.Paulo

30 Maio 2016 | 16h43

Às vésperas dos primeiros encontros do chanceler José Serra com negociadores comerciais em Paris, um grupo de deputados do Parlamento Europeu pede que a União Europeia (UE) interrompa as negociações comerciais com o Mercosul por conta do afastamento da presidente Dilma Rousseff. Numa carta enviada à Comissão Europeia, os deputados alertam o bloco que estará negociando com um "um governo sem legitimidade". 

"Tendo em vista a situação política no Brasil, temos dúvidas de que este processo tem a legitimidade democrática necessária para um acordo de tal magnitude", aponta a carta enviada à chefe da diplomacia da UE, Federica Mogherini. O documento, obtido pelo Estado, insiste que o governo de Michel Temer "carece de legitimidade".

No total, 34 deputados assinaram o documento, de um total de 751 representantes no Parlamento Europeu. A assessoria do grupo diz que vai intensificar o lobby para obter um maior número de assinaturas e incluir o assunto na agenda oficial do Parlamento nas próximas semanas. 

A iniciativa foi liderada por deputados de partidos como o espanhol Podemos, o italiano Movimento 5 Estrelas e por grupos como o da Esquerda Unitária Europeia, da Esquerda Nórdica Verde, dos Grupo dos Verdes no Parlamento e pela Aliança Livre Europeia. "Consideramos que o governo brasileiro instalado após o impeachment carece de legitimidade democrática e, portanto, pedimos a suspensão das negociações UE - Mercosul", diz a carta enviada para Mogherini. 

Assumindo o discurso adotado pela presidente afastada Dilma Rousseff, os deputados europeus apontam que "o processo (no Brasil) culminou num golpe brando na forma de impeachment". 

Espanha. Um dos principais autores da proposta foi o partido Podemos, sensação nas últimas eleições em Madri. Pelo menos cinco deputados do movimento político espanhol já aderiram à campanha. Um deles, Xabier Benito, acredita que para que o processo siga sendo negociado pela UE, " todos os atores implicados precisam ter máxima legitimidade democrática ". 

Benito é o vice-presidente da Delegação do Parlamento Europeu para as Relações com o Mercosul. Ele afirma " compartilhar a preocupação expressa também pelo secretário-geral da Organização de Estados Americanos e pela Unasul sobre a severa situação na ual Dilma Rousseff foi sentenciada por um Congresso doente de corrupção ". 

"Pedimos a suspensão das negociações entre a UE e o Mercosul, dado que o acordo comercial não deveria ser negociado com o atual governo", disse o deputado.

Nas redes sociais, uma das deputadas que apoio a iniciativa, a portuguesa Marisa Matias, chamou o afastamento de Dilma Rousseff de " golpe ". " Suspendam-se as negociações entre a UE e o Mercosul ", pediu a deputada que lidera o Bloco de Esquerda em Portugal. 

Segundo ela, a UE precisa dar " pleno apoio para o restabelecimento da ordem democrática no Brasil " e que o bloco europeu deve agir " em conformidade com os valores fundamentais ". "Um acordo comercial não pode ser negociado com um governo sem legitimidade democrática como é o governo atualmente em funções no Brasil", disse.

O grupo diz que aguarda uma resposta de Mogherini e já pensa em colocar na agenda do Parlamento Europeu a crise política no Brasil, da mesma forma que a Venezuela passou a fazer parte das preocupações da entidade.

Serra terá um encontro ainda nesta semana com a comissária de Comércio da UE, Cecilia Malmstrom, num sinal claro que Bruxelas considera o chanceler um interlocutor legítimo. Após o afastamento de Dilma, o escritório da UE indicou que o Brasil " é e continuará sendo um parceiro estratégico " para a Europa. 

O bloco decidiu ainda seguir adiante com a troca de ofertas entre Mercosul e UE, mesmo com a crise política no Brasil. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.