Desaceleração contribui para elevar superávit

A desaceleração da economia brasileira também contribui com o forte resultado da balança comercial este ano. Com o resfriamento, o ritmo de crescimento das importações está caindo, ampliando o saldo comercial.

RIO, O Estado de S.Paulo

20 de novembro de 2011 | 03h06

Segundo recente relatório do grupo financeiro Nomura, "a recente melhora geral na balança comercial foi impulsionada principalmente pelo crescimento mais fraco das importações, um reflexo da desaceleração do crescimento econômico". Assim, "o crescimento das exportações está razoavelmente estável, em torno de 30%, ano a ano, mas o crescimento das importações caiu de um pico de 44% em janeiro deste ano para 28%, agora".

O relatório também nota que o ritmo de crescimento das importações tanto de bens duráveis quanto de bens de capital caiu cerca de um terço desde os respectivos picos.

Os duráveis, que cresciam 56,5% em novembro de 2010, ante o mesmo mês do ano anterior, reduziram o ritmo para 37,7% em setembro. Já a desaceleração do ritmo de importação de bens de capital foi mais rápida: o pico, de 45,5%, foi em junho deste ano, e em setembro a velocidade já tinha caído para 30,3%. / F.D.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.