coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Desaceleração da indústria dos EUA é a pior desde 1983

Além deste, economia dos EUA apresenta outro dado ruim: construção de novas casas cai 16,8% em janeiro

Marcílio Souza, da Agência Estado e EFE,

18 de fevereiro de 2009 | 11h45

A produção industrial dos EUA caiu 1,8% em janeiro, enquanto a taxa de utilização da capacidade instalada diminuiu 1,3 ponto porcentual em janeiro ante dezembro, para 72,0%, o menor nível desde fevereiro de 1983. A previsão média de analistas consultados pela Dow Jones era de queda de 1,7% da produção industrial e utilização da capacidade em 72,3%. Além deste , a economia norte-americana sofre com outro dado ruim: o início de construção de casas nos Estados Unidos caiu 16,8% em janeiro, devido à queda da atividade em todo o país, informou o Departamento de Comércio americano.   Veja Também:De olho nos sintomas da crise econômica Dicionário da crise Lições de 29Como o mundo reage à crise Os dados de dezembro foram revisados para pior. A queda da produção industrial foi de 2,4% e não de 2,0%, como divulgado originalmente, enquanto a utilização da capacidade foi revisada de 73,6% para 73,3%.  No período de 12 meses terminado em janeiro, a produção industrial norte-americana caiu 10%.  A produção da indústria de manufatura caiu 2,5% em janeiro, depois de ceder 2,9% em dezembro; a de veículos automotores e autopeças diminuiu 23,4% em janeiro ante dezembro. As informações são da Dow Jones.   Construção de casas O número de construção de novas casas foi menor do que os analistas esperavam, já que ficou em 466 mil unidades, enquanto as previsões indicavam uma queda de 530 mil unidades. O número, no entanto, é o mais baixo desde que o Departamento de Comércio começou a fazer os registros, em 1959, e se compara com as 560 mil unidades iniciadas em dezembro.  As solicitações de permissões de construção, considerado um termômetro da atividade futura, também caíram 4,8%, para 521 mil unidades, levemente abaixo das expectativas dos economistas. Com estes dados como cenário de fundo, o presidente dos EUA,Barack Obama, anunciará hoje em Phoenix (Arizona) seu plano contra as execuções hipotecárias, que contará com pelo menos US$ 50bilhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.