Marcelo Min/Estadão
Núcleo da inflação é formado por preços que pressionam o indicador de forma duradoura, como alimentação e energia Marcelo Min/Estadão

Desaceleração do IPCA não reduz preocupação com inflação nos próximos meses, diz Fabio Romão

Economista da LCA Consultores diz que o chamado núcleo da inflação, formado por preços que pressionam o indicador de forma duradoura, como alimentação e energia, continuam elevados

Márcia De Chiara, O Estado de S.Paulo

08 de julho de 2021 | 15h07

O resultado da inflação de junho, de 0,53%, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ficou abaixo do de maio (0,83%) e da expectativa do economista da LCA Consultores, Fabio Romão. Esse arrefecimento, no entanto, não reduziu sua preocupação com o quadro inflacionário para os próximos meses. 

O núcleo de inflação, formado pelos preços que realmente pressionam o indicador de forma duradoura, continuaram elevados, apesar de o índice geral ter perdido força. O núcleo da inflação teve alta de 0,55% em junho e tinha subido 0,54% em maio.

“Em ambos os casos o nível dos núcleos é alto e preocupante”, diz Romão, destacando que essa é uma sinalização de que há choques mais permanentes na inflação. Entre eles, a alta dos bens industriais, da energia elétrica e até mesmo dos alimentos. Para julho, o economista acredita que a inflação suba para 0,73% e atinja 8,75% em 12 meses. A seguir os principais trechos da entrevista.

Surpreendeu o resultado de 0,53% do IPCA de junho?

Eu esperava 0,63%, mas veio abaixo. Filtrando os dados e olhando para a média do núcleo, o resultado foi muito parecido com o mês anterior. Em junho o núcleo ficou em 0,55% e havia sido 0,54% em maio. Em ambos os casos o nível dos núcleos é alto e preocupante.

O que os núcleos sinalizam?

Os núcleos expurgam as pressões pontuais da inflação e mostram o que realmente está pressionando. Em teoria, o núcleo deveria ter desacelerado, mas ficou igual. Isso indica que há choques mais permanentes dentro da inflação. Eu destacaria alguns bens industriais, a alta da energia elétrica e até mesmo da alimentação. Em maio a alimentação subiu 0,44% e em junho 0,43%. Sazonalmente, a alimentação é perto de zero em junho. Alimentação continua atrapalhando, mas não no mesmo nível do segundo semestre do ano passado.

Qual a sua projeção da inflação para julho?

Deve ir para 0,73% e em 12 meses para 8,75%. São taxas altas. A inflação de julho vai ser pressionada pela super bandeira vermelha de energia elétrica, o reajuste da gasolina e do diesel e a alimentação também deve vir mais pressionada (0,48%).

Quais são as implicações de a inflação estar concentrada em itens de consumo obrigatório?

Que vamos fechar acima do teto da meta este ano. O que o Banco Central está fazendo ao subir juros é mirar a inflação do ano que vem. Não há muito o que fazer este ano.

Essa alta vai ter impacto no consumo?

No caso da energia elétrica, mesmo quando o preço sobe, o consumo não cai tanto. A ideia do governo ao subir a tarifa é mitigar o consumo e evitar o racionamento.

Mas qual é o impacto na atividade?

Este ano, o PIB (Produto Interno Bruto) foi revisto para cima muito por conta da base fraca de comparação. Mas, evidentemente, pode acabar segurando a atividade em 2022. Boa parte do mercado, ao mesmo tempo que subiu o PIB de 2021, reduziu o de 2022. Isso tem a ver com o movimento célere da política monetária por parte do Banco Central, de chegar com a Selic em 7% em dezembro. Essa alta dos juros pode tirar PIB de 2022. O reajuste da energia elétrica tem impacto direto na conta de luz  e também  reflexos na formação de grande parte dos preços. A energia entra  na produção de muitos itens  e na prestação de muitos serviços. É problemático, sim.

Há descontrole na inflação?

Haveria descontrole se a perspectiva fosse fechar 2022 com uma inflação muito alta. Não é o caso. A expectativa do mercado captada pelo Boletim Focus, do BC, aponta para uma inflação de 3,7% no ano que vem. A tarifa de energia que está atrapalhando neste ano pode, de algum modo, ajudar em 2022, na medida em que a cor da bandeira (tarifária) muda. Também a celeridade do BC de subir juros pode contribuir para segurar a inflação. Além disso, o descasamento gerado pela pandemia nas cadeias produtivas que leva à falta de produtos deve perder força. É um cenário curioso: a inflação é muito incômoda este ano, não tem mais nada a fazer para cumprir a meta. Mas não significa que teremos uma inflação tão alta no ano que vem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Puxada por energia elétrica, inflação fica em 0,53% em junho e atinge 8,35% em 12 meses

IPCA desacelerou em relação a maio, mas ainda teve o maior resultado para o mês desde 2018; mesmo subindo menos, a conta de luz teve o maior impacto individual no indicador

Daniela Amorim e Cícero Cotrim, O Estado de S.Paulo

08 de julho de 2021 | 09h23
Atualizado 08 de julho de 2021 | 19h05

RIO e SÃO PAULO - Com altas mais brandas na conta de luz e na gasolina, a inflação oficial no País desacelerou de 0,83% em maio para 0,53% junho, segundo os dados do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) divulgado nesta quinta-feira, 8, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O resultado veio praticamente no piso das estimativas mais otimistas de analistas do mercado financeiro ouvidos pelo Projeções Broadcast, que estimavam uma alta mediana de 0,59%. No entanto, a taxa de inflação acumulada em 12 meses subiu a 8,35%, ante uma meta de 3,75% perseguida pelo Banco Central este ano, consideravelmente acima do teto de tolerância de 5,25%. O quadro inflacionário tem feito economistas revisarem para cima suas projeções para a inflação do ano.

O Departamento de Pesquisa Macroeconômica do Itaú Unibanco elevou sua projeção de inflação em 2021 de 5,6% para 6,1%. O Banco MUFG Brasil ainda espera uma inflação de 6% em 2021, mas alerta que a projeção tem viés de alta.

"Acho que a leitura geral continua sendo de um IPCA mostrando um quadro que não é tão favorável”, resumiu o economista Daniel Lima, do Banco ABC Brasil, que estima um IPCA de 6,50% ao fim deste ano e de 3,70% em 2022.

Lima prevê aceleração do IPCA a 0,85% em julho, impulsionado pela energia elétrica, devido ao reajuste do valor da bandeira vermelha 2, que acrescenta uma cobrança extra sobre o consumo na conta de luz.

"Ainda podemos ter pressões de gasolina, com o reajuste da Petrobrás, com alguma coisa desse aumento repassada", diz o economista. "Outro risco é a questão das geadas, que está começando a pegar nos produtos (alimentícios) in natura. Tubérculos, raízes e legumes tiveram deflação de 11,15% em junho, mas espero uma reversão ao longo de julho em função das questões climáticas", completou Lima.

O desempenho de junho não muda a avaliação de que a inflação continua pressionada, corroborou o economista Luis Menon, da gestora de recursos Garde Asset Management.

“Acho que esse número de junho não muda muito o cenário também para o Banco Central, que disse que estava desconfortável com os números. O cenário é de continuar o aperto”, afirma Menon, sobre a expectativa de alta na taxa básica de juros, a Selic.

A Garde Asset prevê que o Comitê de Política Monetária do BC decida por um aumento de 0,75 ponto porcentual da Selic em agosto, com altas subsequentes até que a taxa de juros chegue a 7,0% ao ano, em dezembro.

Em junho, as famílias brasileiras só gastaram menos com comunicação. Todos os demais grupos de bens e serviços ficaram mais caros, com destaque para os custos maiores com habitação, transportes, alimentação, saúde e vestuário.

A energia elétrica aumentou 1,95% em junho. Embora tenha subido menos que no mês anterior (5,37%), a conta de luz ainda foi o item de maior impacto individual no IPCA do mês, uma contribuição de 0,09 ponto porcentual.

Em junho, passou a vigorar a bandeira tarifária vermelha patamar 2 - acrescentando R$ 6,243 à conta de luz a cada 100 quilowatts-hora consumidos - em substituição à bandeira vermelha patamar 1 que vigorou em maio (cujo acréscimo era menor, de R$ 4,169). Além disso, houve um reajuste nas tarifas em Curitiba.

O gás de botijão subiu 1,58% em junho, enquanto o gás encanado aumentou 5,01%.

Os combustíveis subiram 0,87% em junho, acumulando uma alta de 43,92% nos últimos 12 meses. A gasolina aumentou 0,69%, segundo maior impacto sobre a inflação do mês, após os preços já terem subido 2,87% em maio. Também ficaram mais caros em junho o etanol (2,14%), óleo diesel (1,10%) e gás veicular (0,16%).

Na alimentação, o gasto com as compras nos supermercados aumentou 0,33% em junho, sob impacto, principalmente, da elevação de 1,32% nas carnes, que subiram pelo quinto mês consecutivo e já estão 38,17% mais caras em relação a um ano antes.

De acordo com o IBGE, ainda não há sinais de pressão de demanda sobre a inflação, mas sim de aumentos de bens e serviços administrados pelo governo.

“Não dá para dizer que existe efeito de demanda no IPCA. Quando a gente fala de pressão de demanda, a gente costuma olhar para a inflação de serviços. Como a gente vai ver, a inflação de serviços ainda está abaixo do índice geral”, afirmou André Almeida, analista do Sistema Nacional de Índices de Preços do IBGE.

Dentro do índice, a inflação de serviços - usada como termômetro de pressões de demanda sobre a inflação - passou de uma deflação de 0,15% em maio para uma alta de 0,23% em junho. Já a inflação de itens monitorados pelo governo desacelerou de 2,11% em maio para 0,81% em junho. “Os itens monitorados vêm exercendo essa influência na inflação”, apontou Almeida.

A inflação de serviços acumulada em 12 meses saiu de 1,74% em maio para 2,24% em junho. A inflação de monitorados em 12 meses passou de 13,08% em maio para 12,99% em junho. O analista do IBGE lembra que a energia elétrica e os combustíveis subiram menos em junho do que em maio, contribuindo para a desaceleração do IPCA, mas ainda foram os itens que exerceram maior pressão sobre a inflação do último mês.

“A gente não pode afirmar que exista uma pressão de demanda no índice de preços. Porém, com o avanço da vacinação, uma melhora no cenário da pandemia, a tendência é de retomada econômica, e os serviços podem retornar ao normal. A demanda por serviços e produtos pode retomar ao cenário normal de antes da pandemia”, previu Almeida. “Por outro lado, os monitorados continuam acima do IPCA geral. A pressão da gasolina e dos outros combustíveis e da energia elétrica tem contribuído para essa alta na inflação”, acrescentou.

O índice de difusão do IPCA, que mostra o porcentual de itens com aumentos de preços, permaneceu em 64% em junho, mesmo resultado de maio. A difusão de itens alimentícios saiu de 60% em maio para 63% em junho, enquanto a difusão de itens não alimentícios passou de 68% para 66%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Alta das tarifas e retomada devem pressionar inflação de serviços nos próximos meses

A inflação de serviços acumula alta de apenas 2,2% em 12 meses, abaixo do IPCA, mas o cenário pode mudar com o crescimento da demanda, favorecida pelo avanço da vacinação, e o aumento dos preços da conta de luz e dos combustíveis

Márcia De Chiara, O Estado de S.Paulo

08 de julho de 2021 | 19h04

A reabertura de várias atividades por causa do avanço da vacinação e a forte pressão das tarifas de energia elétrica e gasolina poderão ser combustíveis para elevar a inflação de serviços ao longo do segundo semestre. O setor de serviços é um dos que ainda estão com preços sob controle. Em junho, a energia elétrica foi o item que mais pressionou a inflação. Junto da gasolina, esses dois preços administrados responderam por 25% da inflação de 0,53% do Índice Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

O alerta é do economista-chefe da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), Fabio Bentes. “Se combinarmos a inflação de tarifas (custos) com a inflação por aumento da demanda, pode ser que ocorra alta dos preços dos serviços no segundo semestre. Esse é um risco”, afirma.

O economista lembra que o restaurante que fazia promoções provavelmente deve retirá-las  porque começará receber um fluxo maior de clientes. Além disso, a pressão de custo de energia elétrica amplia a possibilidade de repasse para os preços ao consumidor em razão do aumento da demanda por serviços. Isso sem falar na chance de o empresariado tentar compensar as perdas no período em que o estabelecimento ficou fechado.

Em 12 meses até junho, a inflação de serviços está bem comportada. Acumula alta de 2,2%, diante dos preços administrados que subiram 13% no mesmo período, quase o dobro dos preços livres (6,8%), em igual base de comparação.

Difusão 

A chance de os preços administrados de espalhar inflação não é pequena. Eles são o vilão da inflação deste ano, especialmente a energia elétrica. “Tanto a energia elétrica como a gasolina são itens que não tem como o consumidor e o empresário driblar o uso”, diz  Bentes.

Na análise do economista, a capacidade da alta dessas duas tarifas de espalhar a inflação para outros bens e serviços é muito grande. A energia elétrica e a gasolina entram na composição de custos de outros segmentos.

Um sinal do “espalhamento” da inflação aparece no índice de difusão, que mede a fatia de itens que estão tendo alta de preços. Em junho, 64,5% dos mais de 400 preços que compõem o IPCA registraram variação positiva.

Desde abril deste ano, o índice de difusão se mantém nesse patamar. Em junho do ano passado estava em 55,2% e foi acelerando até atingir 72,1% em dezembro último. Recuou um pouco em janeiro, mas  está acima de 60% nos últimos meses.

“Como a energia elétrica mais cara está contratada até novembro, o índice de difusão deve continuar rodando acima de 60% nos próximos meses e, caso ocorra um aumento mais forte dos combustíveis, o indicador poderá subir para 70%, como já aconteceu no ano passado”, prevê.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.