coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Desafio da AL é ficar resistente aos choques, diz Singh

O principal desafio à América Latina é garantir que a região permaneça resistente aos choques que ainda podem ocorrer no ambiente global, alerta o diretor do FMI para o Departamento do Hemisfério Ocidental, Anoop Singh. A região tem resistido bem à turbulência dos mercados financeiros, mas a incerteza permanece elevada no globo. Por isso, o desafio é garantir aprofundamento da melhora vista nos fundamentos econômicos na região, "restringindo o crescimento real dos gastos correntes, garantindo forte supervisão financeira, aumentando investimento e produtividade ao longo do médio prazo", emendou Singh.O FMI avalia que a incerteza global está em níveis mais elevados do que estava há seis meses e ainda "não se sabe quais serão os efeitos da desaceleração no mercado de imóveis e os problemas subprime nos EUA". Em reação à turbulência financeira, o diretor observa que a resposta favorável é atribuída a melhores fundamentos na grande parte dos países e consenso em preservar a estabilidade macroeconômica. "A maior parte dos países têm dívida pública em declínio, fortalecimento fiscal e das posições externas e sistemas fiscais mais sólidos e têm usado a flexibilidade do câmbio de forma bastante efetiva recentemente", reconhece.Embora a inflação permaneça baixa segundo padrões históricos, o diretor do Fundo observa que permanece a necessidade de manter o comprometimento na região para manter a inflação baixa. "O aumento recente da inflação em diversos países exige acompanhamento de perto. Permanecemos confiante que a região está comprometida em lidar com os choques e evitar efeito secundário", afirma.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.