Fábio Motta|Estadão
Fábio Motta|Estadão

"be water"

Coluna Leandro Miranda: como se moldar à nova economia após a covid-19?

Desafio de Maria Silvia é tornar o BNDES menor

Durante a gestão de Luciano Coutinho, ativos do banco cresceram 360% e desembolsos chegaram a atingir R$ 190 bilhões em 2013

Vinícius Neder, O Estado de S.Paulo

31 de maio de 2016 | 05h00

RIO - A economista Maria Silvia Bastos Marques, nova presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), encontrará uma instituição maior do que aquela em que trabalhou 25 anos atrás. Com o também economista Luciano Coutinho, de 2007 a 2015, o BNDES viu seu ativo crescer 360% e os desembolsos anuais atingirem R$ 190 bilhões no auge, em 2013.

O desafio de Maria Silvia, que tomará posse nesta quarta-feira, 1º, será pilotar a redução do banco, sinalizada na decisão do governo do presidente em exercício Michel Temer de antecipar R$ 100 bilhões da dívida do BNDES com a União.

Coutinho comandou a gestão mais longeva da história do banco – e colecionou polêmicas. Entre elas estão o custo dos aportes bilionários do Tesouro, o socorro às empresas na crise dos derivativos, em 2009, o apoio à consolidação e internacionalização de empresas nacionais (a política de “campeões nacionais”), além do financiamento às obras das empreiteiras no exterior e de empresas envolvidas na operação Lava Jato.

Na gestão de Maria Silvia, espera-se um BNDES menor e focado nas concessões em infraestrutura, ainda que com empréstimos menores do que na era Coutinho. Na direção do BNDES, a executiva trabalhou no programa de privatizações, em 1991 e 1992, no governo Fernando Collor.

Uma das críticas feitas à gestão de Coutinho diz respeito ao custo do crescimento do BNDES. De 2008 a 2014, o Tesouro aportou R$ 440,8 bilhões em empréstimos no banco. Com juros, a dívida está em R$ 514 bilhões. Após acusações de falta de transparência, o Ministério da Fazenda passou a calcular os custos dessas operações. Em valores atuais, o custo será de R$ 287 bilhões em 50 anos.

O crescimento começou com a explosão da crise internacional, em setembro de 2008. Com recursos do Tesouro, o BNDES ganhou musculatura para oferecer crédito de imediato na seca.

Fernando Nogueira da Costa, professor da Unicamp e vice-presidente da Caixa no primeiro governo Lula, considera a ação dos bancos públicos “fundamental” em 2008. Na época, o Tesouro emitia os títulos com boas taxas, o “Brasil era a bola da vez” e políticas anticíclicas eram pedidas pelo setor privado. Para Costa, além de aliviar a crise, o crescimento do BNDES elevou o pagamento de dividendos à União e reduziu a dependência de dívida externa.

Outra crítica é dirigida ao destino dos empréstimos, seja para a formação de grandes grupos – como o frigorífero JBS, a telefônica Oi, a fabricante de lácteos LBR e a desenvolvedora de softwares Totvs – seja para obras das empreiteiras no exterior e projetos envolvidos na operação Lava Jato.

O BNDES chegou a ser alvo de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI). Procurado, Coutinho recusou os pedidos de entrevista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.