coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Desafio é garantir crescimento de 4%, diz Paulo Bernardo

Depois do anúncio do resultado do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro trimestre, o maior em quase dois anos, o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, disse que o grande desafio do Brasil é garantir um processo de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) médio de 4% por dez anos. "Isso é fundamental para o País", afirmou o ministro, na abertura do evento Destaque Empresas de 2005, promovido pela Agência Estado na capital paulista.De acordo com Bernardo, o País reúne diversas condições para o crescimento sustentado, como inflação controlada, juros em queda gradativa e redução da relação dívida/PIB e, para garantir o crescimento sustentado, defendeu a redução das despesas governamentais e o aumento do investimento público. Para o ministro, as reformas que permitem a redução das despesas correntes, como a sindical, trabalhista, da Previdência e do Judiciário, precisam estar obrigatoriamente na agenda do próximo ano.Elogios ao BCAo ressaltar o controle da inflação, o ministro afirmou que o processo vem sendo tão bem conduzido que, pela primeira vez em décadas, a taxa de crescimento do PIB será maior do que a inflação. Neste sentido, ele qualificou como "extraordinário" o trabalho do Banco Central. Para ele, o Brasil viveu um ano de forte crise política, mas o desempenho da economia continuou muito positivo. "Temos de render tributo ao Banco Central. Sua ação nos dá tranqüilidade", afirmou.Na avaliação do ministro, que aposta na vitória do presidente Luiz Inácio Lula da Silva nas próximas eleições, o Brasil passará neste ano por um processo eleitoral radicalizado. Mesmo assim, ao contrário do que aconteceu em 2002, quando houve turbulência pré-eleitoral, neste ano, a conduta do Banco Central manterá a área econômica tranqüila. Segundo ele, já é possível se falar em legado do governo Luiz Inácio Lula da Silva. "O País está muito melhor do que quando ele assumiu", salientou.O ministro participou na manhã de hoje do evento Destaque Empresas de 2005, promovido pela Agência Estado na capital paulista.

Agencia Estado,

01 de junho de 2006 | 13h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.