Deságio de 45% em leilão de rodovias surpreende especialista

Para professor, resultado foi promissor devido ao grande número de competidores que disputaram concessão

Beth Moreira, da Agência Estado,

10 de outubro de 2007 | 15h37

O deságio médio de 45% aplicado nas propostas vencedoras do leilão das rodovias federais, realizado na terça-feira, 9, na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), ultrapassou as expectativas do mercado, segundo avaliação do professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Luiz Afonso dos Santos Senna, Ph.D. na área de transportes. O especialista destaca que o resultado foi promissor, principalmente pelo número substancial de competidores que disputaram a concessão dos sete lotes de rodovias. "Sinaliza que a vitalidade da economia brasileira está atraindo players interessantes", afirma. Para Senna, uma das lições que fica com o leilão é que o País está pronto para o processo de transferência da administração das estradas para a iniciativa privada, que está só começando. Ele lembra que o Brasil tem ainda muitas estradas federais e estaduais em condições precárias e avalia que não há outra saída além da iniciativa privada. "Além disso, o governo quebrou um tabu próprio com o leilão de ontem (terça)", lembra, referindo-se à resistência em relação ao processo de privatização. Questionado se as baixas tarifas oferecidas pelos competidores do processo federal coloca em xeque o programa de concessão paulista, Senna ressalta que são modelos distintos e que não podem ser comparados. "São Paulo está muito à frente nesse processo e tem hoje uma malha consolidada e consistente", afirma. O professor ressalta ainda que o modelo paulista é sustentável.

Tudo o que sabemos sobre:
Leilão de rodoviasdeságioBovespa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.