Sergio Castro/Estadão
Sergio Castro/Estadão

Desalento é maior entre as mulheres nordestinas

Maioria dos brasileiros que desistiram de procurar emprego tem entre 25 e 49 anos

Douglas Gavras , O Estado de S.Paulo

18 Agosto 2018 | 22h02

Correções: 18/08/2018 | 22h36

Mulher, com idade entre 25 e 49 anos e nordestina. Esse é o perfil da maioria dos 4,8 milhões de brasileiros que desistiram de procurar emprego por achar que não encontrariam uma posição –  os chamados desalentados. O levantamento foi feito pela Consultoria LCA com dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, do IBGE, do segundo trimestre. 

O  desalento, no fim de junho, atingiu o maior contingente de trabalhadores desde o início da série histórica da pesquisa. Desse total, 36% são brasileiros de até 25 anos. “O desalento está relacionado à saída da recessão, que tem sido mais lenta do que se imaginava”, diz Bruno Ottoni, do FGV/Ibre e do IDados. 

++Falta emprego para 27,6 milhões no País, mostra IBGE

Em situação desigual no mercado de trabalho, sobretudo pela remuneração menor do que a dos homens, as mulheres também acabam desistindo de procurar um emprego com mais frequência. Elas representam 54% dos desalentados

Os números de desalento também variam entre as regiões. No Nordeste, onde o mercado de trabalho é mais frágil, os que desistiram de procurar emprego eram 2,91 milhões em junho. Isso significa que 60% dos brasileiros que estavam no desalento moram na região. O desalento é mais baixo nos Estados da região Sul, que concentra 194 mil brasileiros que dizem ter desisitido de procurar trabalho.

++Presidenciáveis prometem ações emergenciais para combater desemprego

Depois da crise, o serviço por conta própria teve um aumento no Sudeste e no Sul, pois essas regiões têm economias mais dinâmicas e maduras, avalia o economista da LCA Cosmo Donato. “Nesses Estados, se o trabalhador perde o emprego formal, acha uma alternativa na informalidade ou por conta própria. No Nordeste, o trabalhador, que já era informal, muitas vezes desiste.”

É o caso da dona de casa Nete Farias, do Recife. Aos 45 anos, sem curso superior, cansou de ouvir “não”. “Poderia ter conseguido algo melhor, se tivesse estudado, mas casei cedo e logo tive filhos. Agora ficou difícil.”

Arrimo. Na crise, o desalento chegou aos chefes de família. A faixa é maior, de 41%, justamente entre trabalhadores de 25 a 49 anos – geralmente os responsáveis pelo sustento da casa. “Desisti”, diz o ex-garçom Antônio José Rodrigues. Sem emprego há três anos, desde que o restaurante em que trabalhava em São Paulo fechou, ele tentava voltar ao mercado. Fez alguns bicos, mas parou de procurar.

Rodrigues diz que ainda tem sorte, já que sua filha conseguiu um emprego recentemente em uma empresa de telemarketing e ele não paga aluguel, por isso os gastos são menores. "Mesmo assim, depois dos 40 anos, tudo fica mais difícil."

Agora, com o dinheiro que conseguiu guardar, ele tem novos planos. “Vou fazer um curso de formação para porteiro. Tem mais prédio do que restaurante”, brinca. / COLABOROU MÔNICA BERNARDES, ESPECIAL PARA O ESTADO

Correções
18/08/2018 | 22h36

O infográfico que acompanha esta reportagem, publicado mais cedo, identificava equivocadamente as regiões Sudeste e Sul do Brasil. O mapa foi corrigido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.