finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Desânimo com Europa volta a pressionar bolsas dos EUA

Os principais índices do mercado acionário dos Estados Unidos fecharam em baixa nesta quarta-feira, em meio ao continuado pessimismo do mercado com a demora para uma solução para sua crise da dívida da Europa.

ANGELA MOON, REUTERS

19 de outubro de 2011 | 19h14

O índice Dow Jones, referência da bolsa de Nova York, recuou 0,63 por cento, para 11.504 pontos. O termômetro de tecnologia Nasdaq caiu 2,01 por cento, para 2.604 pontos. O índice Standard & Poor's 500 teve desvalorização de 1,26 por cento, para 1.209 pontos.

Repetindo um padrão agora familiar, operadores reagiram a notícias que saíram no final da tarde, desta vez empurrando as ações para baixo. O mercado permanece suscetível a oscilações rápidas, com investidores de longo prazo, em grande parte, na defensiva devido à incerteza com a Europa.

"O mercado tornou-se excessivamente sensível a boatos e rumores sobre a Europa e também às notícias da mídia. Isso é exatamente o que aconteceu ontem e só mostra como esse mercado está instável", disse Eric Marshall, diretor de pesquisa na Hodges Capital Management, em Dallas.

O presidente da França, Nicolas Sarkozy, disse nesta quarta-feira que as negociações para enfrentar a crise da zona do euro emperraram em meio à luta para elevar o poder de fogo do fundo de resgate.

Enquanto isso, uma notícia do Wall Street Journal afirmou que o fundo de resgate da Europa poderia ser usado como um reforço colateral às emissões de bônus de países em dificuldades.

Na terça-feira, o mercado acionário teve um rali com notícias sugerindo que líderes da zona do euro têm um grande pacote a caminho para resgatar nações endividadas.

A fraca previsão econômica do Federal Reserve (banco central dos EUA) também pesou nos negócios à tarde.

Ações de tecnologia tiveram as maiores perdas após a Apple divulgar lucro abaixo do previsto.

Tudo o que sabemos sobre:
BOLSAEUAFECHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.