Descoberta de petróleo no ES vale por proximidade com campo

Para analistas, volume de reservas é pequeno, mas localização próxima infra-estrutura já instalada é boa

Nicola Pamplona, de O Estado de S. Paulo,

15 de julho de 2008 | 15h26

A descoberta de petróleo no Espírito Santo, divulgada nesta terça-feira, 15, pela Petrobras, tem mais valor pela proximidade com o campo de Golfinho do que pelo volume de reservas encontrado. A opinião é de analistas do mercado financeiro, que classificaram como positivo o anúncio da nova jazida, que, segundo estimativas preliminares, tem 150 milhões de barris de petróleo de boa qualidade.  Veja também:Petrobras anuncia descoberta de óleo de boa qualidade no ES O volume foi considerado pequeno - segundo a corretora Ativa, representa apenas 1,35% das reservas provadas combinadas da estatal (que somam óleo e gás). "Mas o mais importante é a qualidade do óleo e a localização, próxima a infra-estrutura já instalada no campo de Golfinho", disse, em relatório, a analista da Ativa Mônica Araújo. A nova jazida está localizada a apenas 13,5 quilômetros da plataforma FPSO Vitória, onde devem ser conectados os novos poços. "É sempre uma notícia positiva, mas o volume não é muito significativo", concorda o analista da corretora Ágora, Luis Otávio Broad. Ele lembra ainda que a notícia está sendo ofuscada nesta terça pela forte queda do petróleo no mercado internacional, que vem puxando para baixo as ações da estatal.  Segundo a Petrobras, as reservas, que têm óleo de 27º API, poderão ser postas em produção com uma velocidade maior do que o normal, já que está próxima a infra-estrutura existente. Ainda não há, porém, detalhes sobre o potencial de produção nem sobre o prazo para entrada em operação da nova jazida.

Tudo o que sabemos sobre:
PetrobrasPetróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.