Descobertas em Santos dependem de estudo, diz Petrobras

Isso só aconteceu depois que a Bovespa divulgou um comunicado exigindo da Petrobras uma resposta

Kelly Lima, da Agência Estado,

14 de abril de 2008 | 16h40

Depois que a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) divulgou um comunicado exigindo da Petrobras uma resposta para as informações dadas pelo diretor-geral da Agência Nacional de Petróleo (ANP), Haroldo Lima, a estatal informou que a abrangência da descoberta da área chamada "Pão de Açúcar", localizada na Bacia de Santos, ainda depende de estudos. Mais cedo, a Petrobras não quis comentar o assunto. Veja também:Área na Bacia de Santos pode ter até 5 vezes o volume de TupiPetrobras dispara com notícia sobre descoberta. É hora de comprar?Acompanhe online a cotação das ações da PetrobrasA história e os números da PetrobrasA maior jazida de petróleo do PaísA exploração de petróleo no Brasil Na manhã desta segunda-feira, 14, o diretor-geral da Agência Nacional de Petróleo (ANP), Haroldo Lima, afirmou que esta área pode acumular até cinco vezes o volume de petróleo encontrado pela Petrobras em Tupi. Segundo ele, informações preliminares das empresas concessionárias que estão operando na área indicam que este volume poderia chegar até 33 bilhões de barris de óleo recuperáveis. A última a se pronunciar foi a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) - órgão que regula o mercado de ações -, que informou em nota que considera prejudicial a divulgação de informações sobre companhias abertas por pessoas que não façam parte da sua administração ou que não sejam seus porta-vozes. Especialmente se forem informações com potencial de influenciar os preços das ações negociadas no mercado e a decisão dos investidores de comprar ou vender. "Esse tipo de comunicação de fatos relevantes deve ser feita exclusivamente pela companhia, utilizando os canais oficiais de comunicação com a CVM e com o mercado, garantindo assim o acesso simultâneo e amplo à notícia", diz a nota. Após o anúncio de Lima, as ações dispararam. Às 16h50, as ordinárias (ON, com direito a voto) sobem 7,56%. As preferenciais (PN) avançam 5,79%. A alta das ações da Petrobras com o anúncio da área Pão de Açúcar, contudo, é inferior ao desempenho dos papéis após a divulgação do campo de Tupi. Naquele dia, os papéis da estatal subiram 14%, enquanto o Ibovespa - índice que mede o desempenho das ações mais negociadas na Bolsa - caiu 0,57%. O comportamento das ações também não mudou de patamar depois da nota oficial da Petrobras, divulgada às 16h41. Vale destacar que, nesta segunda, as ações da empresa foram beneficiadas por mais um recorde no preço do petróleo. Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o petróleo leve subiu US$ 1,62, ou 1,47% para US$ 111,76 o barril. O Brent (negociado em Londres) fechou em alta de US$ 1,06, em US$ 109,81 o barril, após atingir o recorde intraday (durante o dia) de US$ 110,01 o barril. Nova descoberta O consórcio formado pela Petrobras (45% - Operadora), BG (30%) e Repsol YPF Brasil (25%), responsável pela concessão da área informou que "continua seguindo o programa exploratório do Bloco BM-S-9 na Bacia de Santos".  O bloco, segundo as informações, é composto por duas áreas exploratórias. Na maior delas foi perfurado o primeiro poço 1-BRSA-491-SPS (1-SPS-50) que resultou na descoberta anunciada em 05 de setembro de 2007. Na ocasião foi informado ao mercado que são necessários novos investimentos que contemplariam a perfuração de novos poços e cujo Plano de Avaliação está em fase final de elaboração e deve ser protocolado na ANP nos próximos dias. Seguindo o cronograma normal de exploração, a Companhia iniciou em 22 de março de 2008 a perfuração do segundo poço, o 1-BRSA-594-SPS (1-SPS-55), situado na área menor do bloco, mas que até o momento não atingiu a camada pré-sal.  A continuidade das atividades exploratórias inclui a perfuração de novos poços, teste de formação de longa duração e novos estudos geológicos para comprovar a abrangência da descoberta. "Dados mais conclusivos sobre a potencialidade da descoberta somente serão conhecidos após a conclusão das demais fases do processo de avaliação, e serão informados ao mercado oportunamente", informou a nota.

Tudo o que sabemos sobre:
PetrobrasPetróleoPão de Açúcar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.